Dave Grohl diz que Foo Fighters não acabou, só está dando um tempo

O vocalista da banda Foo Fighters, Dave Grohl, disse na terça-feira que o grupo vencedor de vários prêmios Grammy não estava se separando, mas dando um tempo.

Reuters

03 Outubro 2012 | 09h05

Grohl, de 43 anos, alimentou especulações de que o Foo Fighters iria acabar ao dizer aos fãs em um festival em Nova York, no sábado, que "este era o show para tocar quantas músicas pudessem... Não sei quando vamos fazer isso de novo", segundo a MTV News.

Em uma carta pública, porém, enviada pela representante da banda, Dana West, Grohl disse que o grupo estava dando um tempo, mas não tinha nenhuma intenção de acabar.

"Eu não posso desistir dessa banda. E eu nunca irei. Porque não é apenas uma banda para mim. É minha vida. É minha família, meu mundo", afirmou Grohl.

O cantor disse que não sabia quando o Foo Fighters iria tocar de novo, mas acrescentou que "é uma coisa boa que nós fiquemos longe por um tempo. É um dos motivos pelos quais ainda estamos aqui".

O Foo Fighters foi fundado em 1994 por Grohl, ex-baterista do Nirvana, após a morte do vocalista do Nirvana, Kurt Cobain.

Grohl disse que vai lançar um projeto de documentário e álbum chamados Sound City durante a pausa do Foo Fighters. "Pode ser o maior e mais importante projeto em que eu já trabalhei", disse.

A banda, que também inclui o baixista Nate Mendel, o baterista Taylor Hawkins e os guitarristas Chris Shiflett e Pat Smear, lançou sete álbums de estúdio, com sucessos como "Everlong", "Times Like These" e "Learn To Fly".

O Foo Fighters já venceu 11 prêmios Grammy.

(Reportagem de Piya Sinha-Roy)

Mais conteúdo sobre:
MUSICAFOOFIGHTERSTEMPO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.