Lucas Silvestre
Lucas Silvestre

Cultura Inglesa Festival completa 25 anos com eventos presenciais em três capitais

Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro vão receber atividades culturais gratuitas; evento também acontece de forma híbrida

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2022 | 16h00

Durante um mês, a partir desta quarta-feira, 4, até o dia 4 de junho, a Cultura Inglesa realiza a 25ª edição do Cultura Inglesa Festival (CIF) com atrações presenciais em São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador. Também acontecem durante o período eventos híbridos (com público presente e transmissão na plataforma do festival) e conteúdo nacional e internacional exibido on demand.

A ideia da 25ª edição do festival é propor um diálogo com a cultura britânica, a língua inglesa e a produção artística brasileira atual, por meio de diferentes linguagens, como cinema, música, teatro, dança e poesia, além de debates sobre temas da atualidade. O evento é totalmente gratuito e aberto ao público. 

Programação 

Em São Paulo, o festival terá um evento fechado a convidados na sexta-feira, 6, às 19h, no Centro Brasileiro Britânico, com show da modelo, performer, atriz, diretora e DJ Aisha Mbikila e projeções mapeadas da artista visual Bianca Turner. O espetáculo visual será realizado na fachada do Centro Brasileiro Britânico, edifício que também é sede da Cultura Inglesa em São Paulo, que fica na R. Ferreira de Araújo, 741, em Pinheiros. 

Entre os dias 13 e 15/05 e de 20 a 22/05, o auditório do CBB ainda será palco de diversos shows e espetáculos abertos ao público. São eles: 

  • 13/05, às 21h – Love Catto Live O Show – Deluxe Edition: Versão ao vivo das descoladas lives da madrugada nas redes sociais de Filipe Catto. O conteúdo ficará disponível on demand pela plataforma do festival de 14/05 a 04/06;
  • 14 e 15/05, às 11h – Mancala ou As sementes de Akin: Espetáculo teatral infanto-juvenil criado pela atriz e historiadora Érika Rocha e dirigido por Mariana Mayor, que se passa em Londres, e tem como protagonista um menino negro, Akin, que usa a imaginação como refúgio enquanto entra em contato com as narrativas de Mary Prince, uma abolicionista britânica. O conteúdo estará disponível on demand pela plataforma do festival de 16/05 a 04/06;
  • 20/05, às 21h – azul-jardim: De Raul Rachou e Renan Marcondes, uma criação em dança a partir do filme Blue, de Derek Jarman, cineasta britânico que morreu cego por conta da Aids em 1994. A obra assume a forma de um diário falado e dançado, inspirado nos diferentes significados e entendimentos da cor azul;
  • 21/05, às 21h - O Bom e Velho: Show de rock’n’roll promovido pelo duo Mário Manga e Ana Deriggi, que promete uma verdadeira jornada pelo gênero musical, tocando e narrando a história do ritmo na sua época de ouro, que vai de 1964 a 1976. O conteúdo estará disponível on demand pela plataforma do festival de 22/05 a 04/06;
  • 22/05, às 19h - Make it New (Renovar): Natalia Barros, poeta, musicista, diretora teatral e uma das criadoras do grupo teatral XPTO, assina a curadoria e apresenta essa noite especial, que promete um mergulho sobre poesia e prosa poética centrado no Movimento Imagista e pré-modernista da língua inglesa. O evento, que integra o eixo (Re)versões poesia, ainda conta com a presença dos artistas Aricia Mess, Benjamim Taubkin, Filipe Catto e Kabé Pinheiro. O conteúdo ficará disponível on demand pela plataforma do festival de 23/05 a 04/06.

Em São Paulo ainda acontece uma série de eventos ao ar livre, no Jardim do Museu da Casa Brasileira (MCB), na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705, no Jardim Paulistano, no dia de junho, a partir das 10h. Entre as atividades estão Oficina de Dança com BambolêsDance Yoga com Lu Brites, atividade que conecta posturas de yoga e movimentos de dança,  a instalação O que fica de abraços prestes a serem extintos, além de números musucais e de dança, incluindo o show (Re)versões música, com Anelis Assumpção.

No Rio de Janeiro, o CIF estreia no Museu de Arte do Rio nesta quarta-feira, 4, às 21h, com performances ao vivo do duo fluminense YOÙN, formado por Shuna e GP, e abertura da DJ Bieta, que também é estilista, dançarina, produtora musical e cultural e pesquisadora das matrizes culturais africanas. Já no dia 07, das 15h30 às 21h, a Arena Carioca Fernando Torres, no Parque Madureira, será palco de uma série de atividades para públicos de todas as idades, incluindo uma oficina de grafite com Dona Bomba, um encontro do Bailinho da Crespinhos, um show de reggae com a banda Coffee Shop Boys, show do DJ Michell, uma batalha de slam, um baile charme e um aulão gratuito de inglês.

A estreia do CIF em Salvador conta com apresentações do espetáculo inédito A Desafortunada História de Julieta e Romeu, dirigida pelo professor, dramaturgo e diretor artístico da ATeliê voadOR Teatro de Salvador, Djalma Thurler. Com temporada entre 19/05 a 12/06 e transmissão ao vivo pela plataforma do festival no dia 02/06, às 20h, a peça, indicada para maiores de 12 anos, será montada no Teatro Castro Alves (TCA).

Sob demanda

Além da realização de shows e atividades presenciais nas três capitais, CIF também disponibilizará conteúdo 100% on demand em sua plataforma durante todo o período do festival. Esse conjunto de exibições integra o programa From Now On. O usuário poderá se cadastrar no site da Cultura Inglesa e interagir com conteúdos que serão liberados para livre acesso. Toda a programação do evento será disponibilizada gratuitamente, incluindo atrações presenciais, híbridas e totalmente digitais.

O público encontrará as seguintes atrações 100% digitais:   

  • Grin

Criação digital que mistura performance, som, recursos visuais e coreografia, criada pela premiada coreógrafa e performer Mele Broomes, baseada na Escócia, e com apoio de seus colaboradores Divine Tasinda e Kemono L. Riot. A obra propõe uma discussão sobre o corpo ao subverter noções hiperssexualizadas das danças africana e caribenha em um desfile de esculturas, onde o físico e o figurino são acompanhados por uma pulsante partitura sonora.

  • Emancipação do Expressionismo

Peça encenada pela companhia de teatro de dança hip hop mais famosa do Reino Unido, a Boy Blue, e com a coreografia de Kenrick 'H2O' Sandy BEM, utiliza a linguagem do hip hop e a dança de rua para criar um vocabulário variado sobre quatro pontos que se relacionam com a experiência humana e os momentos cotidianos da vida - nascimento, viagem, conexão e liberdade. 

  • Frankenstein: Como Criar um Monstro

Neste show de sucesso da Beatbox Academy, projeto criado pela Battersea Arts Centre (BAC), seis talentosos artistas interpretam o clássico romance Frankenstein, de Mary Shelley, a partir de suas próprias perspectivas como jovens crescendo na Grã-Bretanha do século 21, e exploram como os monstros modernos são criados na sociedade atual. 

  • Workshops de beatbox com BeatBox Academy

Comandado por um dos criadores do espetáculo Frankenstein: Como criar um monstro, Conrad Murray, a oficina vai ensinar a técnica do beatboxing, que consiste em criar sons e batidas usando apenas a voz. A atividade será realizada via Zoom, no dia 21/05, às 22h.

  • Suzie Lark – Unseen

Mostra da artista visual e fotógrafa de Cardiff, País de Gales (RU), Suzie Larke, que usa a fotografia conceitual para retratar as experiências psicológicas de um grupo de participantes. A obra visa a aumentar a conscientização e a discussão sobre bem-estar psicológico e reforçar o entendimento de que todos passam por esse tipo de dificuldade e são capazes de superá-la.

  • Universos Narrativos - Arte e Deficiência no Brasil e Reino Unido

O Grupo Signatores de teatro e a fotógrafa galesa Suzie Larke debatem representatividade, pluralidade e estratégias de adaptação e de transposição de linguagens para projetos artísticos a partir dos seus trabalhos no 25CIF. O Evento será via Zoom, no dia 14/05, às 13h.

  • Mostra DepicT! UK

A competição britânica DepicT!, um projeto que faz parte do Festival de Filmes Encounters, realizado em Bristol (Inglaterra), desafia, há quase 20 anos, cineastas a criarem obras-primas de até 90 minutos. Para este 25CIF, foram selecionados 10 filmes, produzidos entre 2013 e 2021, que tratam dos temas solidariedade, consciência social e coletividade; relacionamentos e otimismo; autocuidado, empatia, bem-estar e co-responsabilidade; meio ambiente e restauração do planeta.

  • Mini Doc 25 Anos do CIF

Durante o período de realização do festival, entre 04/05 e 04/05, o público poderá conferir um mini documentário comemorativo dos 25 anos do Cultura Inglesa Festival. 

  • Romeu e Julieta (em Libras)

O curta-metragem, produzido pelo Grupo Signatores especialmente para o CIF, é uma produção bilíngue (Libras e português) que adapta o clássico de Shakespeare para uma versão contemporânea dos conflitos vivenciados pela comunidade surda no Brasil. O filme ainda terá uma exibição comentada no dia 15/05, às 13h, via Zoom, especialmente destinada a produtores culturais, curadores, professores, artistas e demais profissionais envolvidos no desenvolvimento e execução de projetos artísticos e culturais.

  • 2º DepicT! Brasil

A versão brasileira da competição britânica que desafia seus participantes a criarem vídeos curtos de até 90 segundos, usando qualquer tipo de equipamento de filmagem, chega à sua segunda edição neste CIF. A temática dos filmes é de livre escolha dos participantes e a classificação etária também é livre.

  • 2º Slam CI

O CIF também realizará seu 2º campeonato de poesia falada da Cultura Inglesa, com coordenação da atriz e slammer Roberta Estrela D'Alva. A competição, que acontece nos dias 14 de maio, às 14h e 16h, e 15 de maio, às 13h e 14:30h, por meio da plataforma digital do festival, convida o público geral e os alunos da rede Cultura Inglesa para uma divertida e emocionante batalha de poemas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.