Cultura hip hop é tema de exposição em NY

O que começou como a expressão artística de jovens excluídos em Nova York, nos anos 70, hoje é um segmento do mercado de entretenimento que movimenta bilhões de dólares, dita valores para jovens brancos e negros e, agora, alcança status de arte. A cultura do hip hop é o tema de uma exposição que acaba de ser inaugurada no Brooklyn Museum of Art, em Nova York.Instalado em um prédio imponente, o museu tem 1,5 milhão de peças em seu acervo e uma curadoria bastante inquieta. No ano passado, Sensations, a exposição com novos artistas ingleses causou polêmica e quase foi censurada pelo prefeito Rudolph Giuliani. Hip Hop Nation: Roots, Rhymes and Rage (a nação do hip hop: raízes, rimas e raiva) não tem cadáveres de animais boiando em formol, mas com certeza já está dando o que falar.A exposição, organizada pelo Rock and Roll Hall of Fame, celebra o fenômeno da cultura pop mais influente dos últimos 25 anos. O hip hop manisfesta-se na moda, influencia outros gêneros, como o rhythm & blues (em nomes como TLC e R. Kelly), o rock (Kid Rock e Rage Against the Machine) e o pop (Backstreet Boys, Britney Spears), e faz com que milhares de jovens carentes sonhem com a chance de se transformar no novo Puff Daddy.A cultura do hip hop é baseada em quatro elementos: o DJ, o MC (mestre de cerimônias), o grafitti e o breakdance. Estes elementos estão explicados e exemplificados em cinco seções da exposição, que incluem mais de 400 itens.The Block Party (festa da quadra) introduz os diferentes componentes do hip hop, com demonstrações ao vivo e terminais interativos de computador. The Roots (as raízes) é um olhar do início do movimento com roupas da época, instalações de vídeo objetos originais de clubes da época, além de memorablia pessoal dos pioneiros como Grandmaster Flash, Afrika Bambaataa e Kurtis Blow.The Golden Era (período de ouro) cobre os anos 80 com fotos clássicas, capas de disco, além de letras originais de grupos como o De La Soul e roupas de nomes variados. Controversy: Outrage and the Rise of Gangsta Rap (controvérsia: fúria e a ascensão do gangsta rap) discute o momento em que a cena foi tomada pelo gansta rap e as mortes trágicas de Tupac Shakur e Notorious B.I.G. Encerrando a mostra, está Pop Goes the Culture (a cultura torna-se pop), que mostra a força e importância do hip hop entre os jovens americanos.

Agencia Estado,

26 de setembro de 2000 | 15h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.