Cubanos indicados ao Grammy pedem visto aos EUA

As autoridades de Cuba pediram nesta quarta-feira ao Governo dos Estados Unidos que não politize os prêmios Grammy 2005 e conceda visto aos músicos dos sete álbuns cubanos indicados, para que possam comparecer à cerimônia do dia 3 de novembro, em Los Angeles."Esperamos que não se manipule o sucesso do ponto de vista político (...) Tomara que não tenham problemas com os vistos", disse o primeiro-vice-presidente do Instituto Cubano da Música, Orlando Vistel, em uma entrevista coletiva com alguns dos indicados.Vistel contou que as autoridades cubanas enviaram à Academia do Grammy o pedido das cartas-convite para os músicos cubanos, necessárias para providenciar os vistos na Seção de Interesses dos Estados Unidos em Cuba."Já vimos a política discriminatória dos Estados Unidos, impedindo que nossos artistas se apresentem no país", acrescentou o também vice-presidente do Instituto da Música, Jorge González, lembrando que o último grupo que se apresentou nos EUA foi a banda de Juan Formell e os "Van Van", em novembro de 2003.Segundo ele, desde essa época, foram negados vistos para 48 integrantes de sete grupos.Seis álbuns de músicos cubanos foram indicados neste ano na categoria de música tropical do 6.º prêmio Grammy Latino; e um sétimo, o disco Homo ludens, do compositor, guitarrista e diretor Leo Brower, na de música clássica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.