Anthony Leva/Divulgação
Anthony Leva/Divulgação

Crocodiles traz sua ‘salsa-punk’ ao Brasil

Banda norte-americana mostrará as músicas do quinto disco, ‘Boys’, lançado neste ano, em shows em São Paulo, Natal, Brasília e Sorocaba

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

01 de agosto de 2015 | 16h00

“Estar na estrada, fora de casa, é muito bom, cara.” Brandon Welchez, guitarrista e vocalista da banda norte-americana Crocodiles, comemora a primeira viagem da dupla formada ao lado de Charles Rowell para a América do Sul, anunciada no começo da semana passada, mas frase também funciona para o estilo de trabalho do grupo nascido em San Diego, na Califórnia. 

A dupla produz discos compulsivamente desde a estreia, em 2009, com o álbum Summer of Hate. São cinco lançamentos em seis anos – e somente um deles foi gravado na cidade onde os músicos vivem. No último deles, Boys, a estrela do repertório desta turnê que chega ao Brasil em 11 de agosto, o Crocodiles decidiu sair ainda mais da sua zona de conforto e partiu para a Cidade do México para gravar o sucessor do bem-sucedido criticamente Crimes of Passion, lançado em 2013. 

A escolha pela capital mexicana, conta Welchez, se deu por uma casualidade. O grupo queria trabalhar com o produtor Martin Thulin, filho de suecos e mexicano de nascimento. “Tínhamos referências muito similares e ficamos muito animados em trabalhar com ele. Ir para a Cidade do México deixou tudo ainda mais interessante para a gente”, diz o vocalista. 

O Crocodiles passou um mês em um apartamento e no estúdio de Thulin, dando vida aos esboços criados durante a última turnê e o período de férias. Há um sutil toque latino no disco, algo até difícil de notar e só evidenciado na canção Kool Tv. “Eu digo que este é um disco de salsa-punk”, explica Welchez. “É uma brincadeira e uma crítica, ao mesmo tempo. Afinal, se nós não rotularmos o nosso som, certamente alguém irá, e possivelmente não concordaremos. Acho divertido mostrar a direção artística que tomamos em Boys.” 

Além do México, a banda já gravou discos no deserto californiano (Sleep Forever, de 2010), em Berlim (Endless Flowers, de 2012) e em Los Angeles (Crimes of Passion, do ano passado). “Não sei dizer se somos compulsivos por gravar discos”, diz o vocalista. “Mas acho que é tedioso ficar sem criar novas músicas.” 

Shows no Brasil. O Crocodiles trará ao País dois músicos para completar o quarteto, Robert Moutrey ( bateria) e David Claxton (baixo). A turnê, organizada pela Balaclava Records, começa com apresentação em São Paulo (na Serralheria, R. Guaicurus, 857, Lapa), em 11 de agosto; na sequência, o grupo vai até Natal (Casa da Ribeira, R. Frei Miguelinho, 52), no dia 12; segue para Brasília (Club 904, 904 Sul), dia 14; e chega ao fim em Sorocaba (Asteroid, na R. Aparecida 737, Santa Rosália), dia 15. “Vamos tentar comprar alguns discos aí”, garante o músico, mesmo com a agenda apertada.

Tudo o que sabemos sobre:
crocodilesmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.