Crítica: Quinteto de Fagotes da Osesp cobre arco que vai de Bach a Charlie Parker

A formação de quatro fagotes e contrafagote encontrou nos músicos da Osesp intérpretes ideais para mostrarem todos os recursos desse instrumento tão exótico e ao mesmo tempo tão bem-humorado

João Marcos Coelho  , ESPECIAL PARA O ESTADO

22 Outubro 2017 | 04h00

Saí do concerto de segunda-feira, dia 16, no auditório do Masp com um sentimento contraditório. Foi, de fato, uma noite de música de qualidade, combinada com uma exposição de Sérgio Molina sobre a relação entre a Composição com Fundo Amarelo e Vermelho, de Alexander Calder, e o repertório proposto pelo quinteto de Fagotes da Osesp, um enorme arco histórico indo de Bach a Charlie Parker, passando por Piazzolla, Bernstein e as sete deliciosas “gravuras sonoras” de Roberto Sion intituladas Quadros da Pinacoteca.

Como as três figuras em preto – e também o alvo peixinho – parecem dançar sobre o fundo amarelo e vermelho na tela de Calder, tudo parecia bem “costurado”. Ou melhor, quase tudo. Fiquei esperando – e creio que também o bom público presente – a projeção, que não aconteceu, das sete gravuras com as quais Sion interagiu para criar as peças. Teria sido maravilhoso contemplá-las enquanto ouvíamos a música. Por exemplo, Carnaval em Madureira, de Tarsila do Amaral, teria iluminado o maxixe que brinca com a ambiguidade tonal/atonal proposta por Sion. 

Em todo caso, a formação de quatro fagotes e contrafagote encontrou nos músicos da Osesp intérpretes ideais para mostrarem todos os recursos desse instrumento tão exótico e ao mesmo tempo tão bem-humorado. Os melhores momentos ficaram, sem dúvida, com o ótimo arranjo de Romeu Rabelo para a abertura do musical Wonderful Town de Leonard Bernstein (com direito a show numa das criações mais originais do maestro compositor, Wrong Note Rag). Uma gema de 5 minutos, tão fulgurante quanto o arranjo de Alexandre Silvério para o clássico do bebop Donna Lee, de Charlie Bird Parker. 

Quem se encantou com as duas performances finais do grupo deve ouvir imediatamente o CD Entre Mundos (2015), puro jazz com muito improviso e composições instigantes com o Alexandre Silvério Quinteto.

Apesar de tudo isso, saí daquele auditório de tantas noitadas memoráveis de música contemporânea em décadas passadas com a sensação de que se perdeu uma chance raríssima de mostrar efetivamente a relação entre Calder e a música. Afinal, o criador dos móbiles que tanto influenciaram a arte atual, incluindo o nosso genial Hélio Oiticica com seus parangolés, foi parceiro do compositor norte-americano Earle Brown (1926-2002) em ao menos um projeto fundamental no itinerário contemporâneo das relações entre o visual e o sonoro.

Aconteceu em 1963. Calder criou uma escultura móbile em tamanho grande intitulada Chef d’orchestre” ou maestro; Brown, o parceiro menos conhecido de três nomes mais famosos (John Cage, Morton Feldman e Christian Wolff), criou Calder Piece, obra aberta em que quatro percussionistas são “regidos” pelo móbile. Composta há 54 anos, permanece inédita no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.