Divulgação
Divulgação

Crise ameaça realização da Oficina de Música de Curitiba em 2017

Prefeito eleito Rafael Greca pede pelo cancelamento do evento em nome de investimento em outras áreas

João Luiz Sampaio  , Especial para O Estado de S. Paulo

19 Dezembro 2016 | 03h00

Um dos mais tradicionais eventos do calendário musical brasileiro, a Oficina de Música de Curitiba, contempla a possibilidade do cancelamento de sua 35.ª edição. O motivo é a falta de verbas – e uma disputa política entre a gestão atual e o prefeito eleito, que alega a necessidade de se utilizar o dinheiro para investir em saúde.

A oficina ocorre tradicionalmente em janeiro, dedicada à música antiga, à música clássica e à música popular, com professores e alunos de todo o mundo. No dia 1.º, no entanto, o prefeito eleito Rafael Greca (PMN-PR) escreveu em seu Facebook que pediria ao prefeito Gustavo Fruet (PDT-PR) o cancelamento do evento. “Como pretendo priorizar o atendimento à saúde pública a partir de janeiro, não tenho outra saída senão adiar a despesa com a oficina de música”, disse. O comentário gerou enorme repercussão nas redes sociais e na classe musical brasileira, incomodada com a definição do investimento em cultura como “vilão” de outras áreas.

A oficina é realizada por meio de um contrato de gestão entre o Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC) e a Fundação Cultural de Curitiba, órgão do município. O orçamento inicial passou de R$ 1,7 milhão para R$ 1,3 milhão, que seria pago em duas partes, uma este ano e outra após a realização do evento. Até agora, a prefeitura já repassou R$ 420 mil. “Estamos preocupados com a possibilidade de descontinuidade do evento e buscando o diálogo com o novo prefeito para sensibilizá-los a respeito da importância do evento”, diz Marino Galvão, presidente do ICAC. 

Ao Estado, porém, Greca diz que “temos que escolher entre a dor do povo e o prazer de fazer música”. “O ICAC, sabedor da situação financeira do município, deveria ter sido mais cuidadoso antes de ter convidado professores nacionais e de outros países. Isto é crime passível de responsabilização prevista em lei. Não sou eu que vou cancelar o evento. É o atual prefeito Gustavo Fruet que não pagou o evento”, afirma. Greca sugeriu ainda que a oficina ocorra em outro momento do ano.

Em resposta às colocações de Greca, o ICAC afirmou, em nota, que “o contrato de gestão prevê os repasses da oficina com parcelas nos dois exercícios fiscais, 2016 e 2017, e que a alteração de metas contratuais deve ser comunicada em tempo para minimizar o impacto da medida”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.