Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Criolo imagina as favelas daqui a 30 anos

Cantor une dois curtas para formar curta-metragem sobre uma comunidade futurística

Lucas Nobile, Especial para O Estado de S. Paulo

16 de março de 2014 | 22h20

Como será o cotidiano de um bairro periférico de São Paulo daqui a 30 anos? A tecnologia dos drones (pequenos veículos aéreos não tripulados) e das impressoras 3D chegará à periferia. Para o bem e para o mal.

É este o olhar do diretor Cisma nos clipes filmados por ele para as músicas Duas de Cinco e Cóccix-ência, singles lançados em 2013 pelo cantor e compositor Criolo. Os dois vídeos, vistos pelo Estado em primeira mão, serão lançados amanhã e foram feitos em sequência, como se fossem um curta-metragem.

Na favela futurística, jovens ainda deixarão a sala de aula seduzidos pelo caminho mais curto da violência e do tráfico de drogas. Situação retratada nas duas canções de Criolo: "Um governo que quer acabar com o crack/ Mas não tem moral pra vetar comercial de cerveja" (Duas de Cinco) e "O que não é seriado da Fox/ É playboy se acabando no oxi" (Cóccix-ência).

"A desgraça consegue ser mais rápida que a tecnologia. Agora cada bairro tem a própria Cracolândia em sua porta. Pensamos em 2044, mas isso chegou em três meses", diz Criolo.

Fazendo shows com os repertórios de Nó na Orelha (2011) e Ainda Há Tempo (2006), Criolo completa 25 anos de uma carreira que teve projeção nacional há quatro. E segue compondo – para a reportagem, canta algumas inéditas, entre elas uma marchinha, uma canção com sotaque de fado, um forró e um samba que estará no próximo disco de Tom Zé.

Sem pressa de lançar o próximo álbum, Criolo atualmente trabalha num texto que apresentará no Festival de Poesia de Berlim, em junho. "Criação de arte não está ligada a uma esteira competitiva em que quanto mais você aparecer, mais louros você colher, maior vai ser o seu cachê", comenta.

Em entrevista, o cantor de 38 anos fala dos novos clipes, de racismo e da disparidade entre a arrecadação de impostos e o que é devolvido à sociedade. Leia abaixo.

Os clipes mostram a tecnologia na rotina do Grajaú em 2044. Pela visão de vocês, isso vai acontecer para o bem e para o mal, não?

Não cuidam da gente, então vamos mostrar como vai ser daqui tantos anos. O abandono é total e absoluto, as ações são paliativas. O que as pessoas vão ser capazes de fazer para continuar exercendo seus pequenos poderes? Como vai ser o habitat das bordas em 2044? A gente pensou que estava se adiantando, nesse ínterim foi desmontada a Cracolândia, agora cada bairro tem a sua Cracolândia na sua porta e o convite ao garoto à sua referência mais próxima, seu herói. A desgraça consegue ser mais rápida que a tecnologia.

Mesmo com a evolução tecnológica, as necessidades básicas vão continuar existindo.

A grosso modo, se os corruptos roubassem metade do que roubam, não precisaria de controle de natalidade e todo cidadão brasileiro teria um nível de classe média. Se você passa ali no Largo São Bento ou no Pátio do Colégio, tem aquele equipamento maravilhoso, extremamente tecnológico, o impostômetro: impostor por metro quadrado. Você passa lá e tem R$ 134 milhões arrecadados com impostos (até a conclusão desta edição, o número era de R$ 387 bilhões). Todos os dias a palavra destrói a poesia. Quanta poesia não consegue destruir de um cara passando ali, que comeu às duas da tarde porque não teve o café e não vai ter janta, e ele está vendo aquele número, R$ 134 trilhões.

Dos problemas que o país tem em saúde, educação, qual o mais agudo para você?

Vamos falar do básico: a cada dois segundos alguém morre de fome no planeta. Fora quem morre da alma por não enxergar mais solução e fazer da sua vida um pesadelo. Também somos um desses. Lembro quando eu era pequeno, nas vielas perto de casa, eu vi gente morrer, vi três, quatro assassinatos na minha frente, de certa forma, você morre também, todos os dias, de alma.

Falando de Copa, o Brasil vai sediar o evento, mas o próprio futebol brasileiro tem uma série de problemas. Invasão de C.T. por torcedores, casos de racismo. O que pensa sobre isso?

Duas coisas que acontecem desde que o mundo é mundo. Paixão é irracional, para responder a primeira parte. A segunda parte, vou contar um caso para você bem rapidinho. Quando eu tinha uns 8 anos, me acidentei em casa, meu pai estava chegando do trabalho. Do jeito que ele estava, me pegou e me levou para um pronto-socorro. Fui atendido em 20 minutos, um dos melhores atendimentos que tive na vida. Só que levei uma hora e meia para chegar em casa porque meu pai (Seu Cleon, que é negro) foi detido, acharam que era possível eu ter sido sequestrado por ele, que tinha acontecido algo no cativeiro e ele levava uma criança sequestrada.

E de que maneira isso ainda te serve de motor criativo?

Não me serve para nada, isso só nos destrói. Agora, quando você tem contato com uma coisa tão brutal dessas, não quer para você. E esse não querer algo brutal para você e para o mundo, isso é o motor, para você minimamente falar que disso você não gosta. Falei isso pra Spike Lee, quando ele aqui esteve, perguntou sobre preconceito. Disse a ele: mano, no Brasil o currículo tem de vir com foto! Acho que isso resume.

Há previsão de um novo disco?

Há quatro anos, eu e o DJ Dan Dan saíamos da Rinha dos MCs com R$ 15, era um pão na chapa e uma vitamina para cada um, e a gente ia embora para casa. Esperar o almoço de R$ 3 virar dois e o cara que já te conhece separa um copo de suco para você. Isso aconteceu comigo com 21 anos de carreira, bicho. O Nó na Orelha, falo com muito orgulho da felicidade de ter o Daniel (Ganjaman), o (Marcelo) Cabral (produtores do disco) e toda a turma que eles montaram, um time dos sonhos, sabe? Às vezes, fico até me questionando: existe a necessidade de fazer outro álbum se ele já me deu tudo isso? Vou fazer outro álbum, sim, porque é uma inquietação minha, não por uma necessidade de manter uma agonia ou um pódio que o outro criou. Cantamos para tentar fazer com que o nosso coração se acalme e isso não está ligado a prateleiras e troféus. Você tem de entender que criação de arte não está ligada a uma esteira competitiva, em que quanto mais você aparecer e quanto mais louros você colher, maior vai ser o seu cachê.

Gravação traz jovens protagonistas do Jaçanã

Com o reconhecimento nacional de Criolo e toda a estrutura da produtora do diretor Cisma (a Paranoid, dos sócios Heitor Dhalia, Tatiana Quintella e Egisto Betti), eles tinham tudo para optar por rostos de atores famosos na linha de frente dos clipes de Duas de Cinco e Cóccix-ência. Mas escolheram justamente o contrário.

Em vez de figuras conhecidas do público, eles decidiram que os protagonistas seriam jovens estreantes. E, para os vídeos filmados na zona sul de São Paulo, no Grajaú, eles encontraram os atores na zona norte, numa oficina de teatro do CEU Jaçanã.

Os três protagonistas não passaram por testes, foram escolhidos na base da confiança. Sem atores principais para os clipes, o diretor Cisma tinha apenas uma certeza: que uma “molecada” atuasse nos filmes. Após receber uma dica de que poderia encontrar seus protagonistas no CEU Jaçanã, ele foi até lá e, por indicação do professor do local, conheceu os três jovens Daniel Dantas, Morgana Naughty e Léo Loá.

“Eu nem fiz teste com eles, olhei e acreditei. A única coisa que rolou foi uma conversa na produtora e já estava decidido. Você coloca uma câmera na frente desse personagem principal, o Daniel Dantas, e vê muita verdade”, diz Cisma.

“A atuação desses caras está emocionante. Não é um clipe do Criolo, tem a canção que por acaso é a trilha para o filme desses jovens tão talentosos”, comenta Criolo.

Nos clipes filmados no Grajaú, os três atores representam uma realidade comum a muitos jovens brasileiros, a de abandonar os estudos ao serem seduzidos pelo tráfico de drogas e pela violência do crime.

E a oportunidade que surgiu para os protagonistas também serviu para demonstrar o quanto alguns deles encararam a empreitada como o sonho de um futuro na profissão. “Um dos meninos, na segunda diária, falou: ‘Acho que perdi meu emprego. Avisei lá no telemarketing que eu ia faltar para gravar um clipe, meu chefe não entendeu, me deu uma bronca e eu nem apareci no dia seguinte’. Eu disse: Mas não era para isso acontecer, quer que eu ligue lá para dar uma palavra com seu chefe? Ele respondeu: ‘Não, estou indo atrás do meu sonho, isso aqui está perfeito para mim’”, lembra o diretor.

“Precisa ter muito brio, muita garra para tomar uma atitude dessas com essa idade. Aí você se identifica e começa a aplaudir esse cara. E como dói no coração apagar a luz do set no último dia de filmagem, e a gente não ter força para fazer mais por esses caras”, diz Criolo. “Eu lutei a vida toda, não esperei, fui atrás, alguém me deu condição e mudou minha vida completamente. Ninguém quer nada dado. É o mesmo com esses jovens, nem a oportunidade eles querem, eles conquistam. Querem a situação para ir atrás da oportunidade. Se de tudo o que a gente fez até hoje, nesses 25 anos de carreira, se as pessoas reconhecerem esses atores e se rolar alguma coisa para esses caras, já valeu”, completa o compositor. 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.