JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Crianças são impedidas de entrar em show de Paul McCartney

Mesmo com os pais, menores de 10 anos não puderam ver o ex-Beatle ao vivo em São Paulo, por conta de um alvará

Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO

17 Outubro 2017 | 19h32

Um alvará impediu a entrada de crianças menores de 10 anos no show One on One, do ex-Beatle Paul McCartney, no último domingo, 15, em São Paulo, mesmo acompanhadas de responsáveis legais. Pais e filhos deixaram o Allianz Parque frustrados. Em Porto Alegre, local do primeiro show da turnê no Brasil, a classificação etária foi a mesma. 

Expedido em 11 de outubro e assinado pela juíza Letícia Antunes Tavares, o alvará determinou a autorização de entrada e permanência apenas de crianças e adolescentes de 10 a 15 anos, acompanhados dos responsáveis, e de jovens a partir de 16 anos desacompanhados.

“Foi desesperador, porque inclusive não moramos em São Paulo”, diz o médico André Nunes, que comprou ingressos para ir com a esposa e com a filha de nove anos, e foi impedido de entrar no local. André, que possui uma captura de tela como comprovante, foi informado no momento da compra que a classificação etária não permitiria apenas menores de seis anos. Só viu depois, no ingresso impresso, que seria de 10.

A família, vinda de Jundiaí, tentou ainda, sem sucesso, ajuda na bilheteria. Quando foram para um portão diferente, conseguiram entrar. Outro pai, o também médico Carlos Frederico Pascale, porém, não teve o mesmo destino, ao tentar entrar com o filho de oito anos. “Fomos barrados de forma rude”, afirma. De acordo com ele, a funcionária no local não ajudou com orientações. 

Pascale relata que procurou, assim como muitas famílias, o Conselho Tutelar no local, que teria tentado conseguir autorização na Justiça, também sem sucesso. “Tentaram entrar em contato com juízes de plantão, e, após o show já ter começado, fomos informados que não poderíamos entrar.” A família voltou para Piracicaba sem ver McCartney. 

Já com a certeza de que não conseguiria entrar com o filho mais novo, de oito anos, o jornalista Ricardo Alexandre preferiu vender, poucos dias antes do show, seus ingressos. Por meses, ele tentou encontrar um jeito de levar o garoto, inclusive com um processo, que correu em segredo de justiça. 

Para Alexandre, que procurou esclarecimentos em diversos órgãos, a lei sobre a entrada de crianças e adolescentes em eventos como este é “confusa”. “Tira de mim, o pai, a prerrogativa de expor o meu filho ao conteúdo cultural que eu julgo importante para a formação dele.”

O jornalista entende que a medida seja para a segurança das crianças, mas vê contradições. “O problema é a incoerência, é a mesma estrutura que serve a jogos de futebol, que têm mais ocorrências que shows de Paul McCartney.”

Procurado pelo Estado, o Ministério Público de São Paulo se manifestou, através da promotora Juliana Amélia Gasparetto de Toledo Silva Donato, apenas com a cópia da resposta de um pedido de autorização feito pelos pais de uma criança. “Não há ilegalidade em limitar a faixa etária que terá acesso ao evento, ao contrário, cuida-se de medida voltada a proteger a saúde e segurança, a qual se faz necessária.”

“Além disso, uma vez que a produtora/organizadora se preocupou em garantir a segurança de crianças a partir de 10 anos, a nosso ver, impossível obrigá-la a expandir sua estrutura de segurança para abranger crianças ainda menores”, segue a nota. “Muito menos responsabilizá-la por eventual acidente ocorrido nas dependências do estádio ao longo do evento.”

Responsável pelo evento, a Time For Fun afirmou, em nota, que não irá se pronunciar.

Para os próximos shows internacionais em São Paulo, a classificação varia, mas menores de 14 poderão ver o U2 e o Coldplay, este no próprio Allianz Parque, com os pais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.