Leo La Valle/Efe
Leo La Valle/Efe

Corpo de Mercedes Sosa é cremado e Argentina se despede

Corpo de 'Negra' foi retirado do Congresso Nacional e cremado no Cemitério de Chacarita, em Buenos Aires

Marina Guimarães, da Agência Estado,

05 de outubro de 2009 | 12h57

Entre lágrimas e cantos o povo argentino se despediu da cantora Mercedes Sosa, nesta segunda-feira. O corpo da "Negra", como é carinhosamente chamada pelos fãs, foi retirado do Congresso Nacional, onde foi velado desde domingo, e levado ao Cemitério de Chacarita.

 

As cinzas serão divididas entre sua província natal - Tucumán -, Mendoza e Buenos Aires. Emocionados, os fãs despedem-se da artista amada por toda a América Latina.

 

Fabián Matus, filho de "Negra", recebeu mensagens solidárias de presidentes de vários países, como Israel, Espanha, Itália, Brasil e outros. Aos 74 anos, Mercedes Sosa, a cantora de folclore "mais roqueira" da Argentina, como definiu um dos ícones do rock local, Charly Garcia, recebeu o último adeus de inúmeras personalidades, entre elas o ex-astro de futebol Diego Armando Maradona, o técnico da seleção nacional. "Morreu uma das melhores do mundo; cantando não vai haver outra como ela; cantava com uma liberdade que ninguém tem nem neste país, nem no mundo", disse Maradona.

 

 

A presidente Cristina Kirchner também foi ao Congresso despedir-se da artista. O governo decretou luto nacional por três dias e destacou que Mercedes "esteve sempre de mãos dadas com um forte compromisso social".

 

O decreto ressalta seu "espírito solidário", "honestidade intelectual", "compromisso artístico e social e a ferrenha defesa dos direitos humanos e das causas justas". O texto ainda recorda que "esse compromisso social lhe causaria na década de 70 a perseguição da ditadura, a prisão e o exílio, produzindo-se seu retorno ao país no ano de 1982".

 

Matéria atualizada às 15:55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.