REUTERS/Bobby Yip/File Photo
REUTERS/Bobby Yip/File Photo

Coreia do Sul aprova lei que adia serviço militar de artistas de K-pop

Emenda na Lei do Serviço Militar foi concebida para proporcionar exceções para mega-astros da música que melhoram o status cultural do país e fortalecem a economia

Hyonhee Shin, Reuters

01 de dezembro de 2020 | 19h58

SEUL — O Parlamento da Coreia do Sul aprovou nesta terça-feira, 1.º, um projeto de lei para permitir que artistas de K-pop reconhecidos mundialmente, como a banda BTS, adiem o serviço militar obrigatório até os 30 anos.

Todos os homens sul-coreanos fisicamente aptos de 18 a 28 anos precisam servir nas Forças Armadas por cerca de dois anos, parte dos esforços do país para se resguardar contra a Coreia do Norte.

A emenda na Lei do Serviço Militar foi concebida para proporcionar exceções para mega-astros de K-pop que melhoram o status cultural do país e fortalecem a economia.

A Coreia do Sul permite que estudantes habilitados adiem o serviço até os 28 anos, e concedeu isenções a músicos clássicos e atletas de grande destaque que venceram medalhas olímpicas ou um ouro nos Jogos Asiáticos, entre eles Son Heung-min, atacante do Tottenham Hotspur.

Nenhum ídolo de K-pop recebeu isenções, mas o novo projeto de lei fará com que artistas recomendados pelo ministro da Cultura possam adiar o serviço até os 30 anos.

Jin, que tem 27 anos e é o membro mais velho do BTS, está se aproximando do alistamento no momento em que a boy band de sete integrantes reescreve a história do K-pop.

"Artistas pop tendem a conseguir suas maiores conquistas em torno dos 20 anos, mas muitos deles tiveram que buscar uma graduação para adiar o serviço", disse Jeon Yong-gi, coautor do projeto de lei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.