Congressistas protestam contra o funk do "tapinha"

Deputadas e senadoras de vários partidos estão protestando contra as músicas Tapinha, cantada pelo grupo Furacão 2000, e Tapa naCara, do Pagod?art, que, na opinião delas, é uma apologia à violência contra a mulher. Como essas músicas estão a toda hora sendo tocadas emrádios e em programas de TV e, certamente, irão popularizar-se ainda mais durante o carnaval, as deputadas foram ontem ao secretário Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Gilberto Saboya, pedir a realização de uma grande campanha na mídia pregando a ?integridade física das mulheres?.O secretário demonstrou solidariedade com a preocupação das deputadas, mas não acenou de imediato com qualquer solução. ?Eu nãoposso censurar essas músicas?, ponderou o embaixador que, no entanto, manifestou o seu repúdio às letras relatadas pelas deputadas. ?Se te bota maluquinha, um tapinha eu vou te dar porque dói, um tapinha não dói?, diz uma das letras. A outra música conta que a mulher pede aoamante um tapa na cara e o rapaz demonstra, de início, até uma certa relutância porque não tem o hábito de bater em mulher mas acaba concluindo: ?com amor, se você quiser...eu vou te dar?. A deputada Iara Bernardi (PT-SP) comentou que as músicas estão sendo tocadas até a saturação em programas de domingo nas TVs, incluindo noXuxa Parque destinado a crianças e adolescentes. E teme retrocessos no trabalho de combate à violência contra a mulher a partir da ?banalização? de um tapa na cara que seria promovida pelas músicas. ?Se o tapa é natural, o que será depois disso: o estupro??, protesta adeputada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.