JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

Com shows de Bruno Mars e Seu Jorge, festival contempla estilos heterogêneos

Summer Soul contou com mais de 22 mil pessoas na Arena Anhembi, em São Paulo

João Paulo Carvalho, estadão.com.br

25 de janeiro de 2012 | 08h43

Sabe aquela velha história de que estilos musicais diferentes podem não dar liga no mesmo lugar? O Summer Soul Festival, que aconteceu em São Paulo, na Arena Anhembi, nesta terça-feira, 24, bem que tentou manter o tal legado da diversidade sonora na boca do povo, mas fracassou. O público, de uma maneira geral, soube ponderar as diversidades, ainda que pequenas, e cair no ritmo dançante de Seu Jorge; cantar em coro a avalanche pop de Bruno Mars e lançar olhares curiosos para os gritos encantadores de Florence Welch à frente da banda britânica Florence And The Machine.

Apesar da proposta do evento que trouxe Amy Winehouse ao País no ano passado ser a de promover a música soul, os fãs das atrações deste ano não dialogavam tão bem assim. Mais de 22 mil pessoas estiveram no local.

Bruno Mars, o mais aguardado da noite, trouxe com ele uma legião de adolescentes histéricas, ávidas por qualquer movimento sexy do cantor.

O americano subiu ao palco atrasado e correspondeu aos berros ensurdecedores com passos milimetricamente ensaiados e algumas brincadeiras. "São Paulo", gritou o músico, que abriu o show com a canção The Other Side, seguida por Top of the World. Mars demorou para entrar no ritmo e parecia um pouco sonolento até projetar a imponente voz em Marry You e The Lazy Song. A partir daí, ele se soltou e conduziu a apresentação, emendando hit atrás de hit.

"Delícia, delícia, assim você me mata. Aí, se eu te pego, aí, aí, se eu te pego", gritavam as fãs na tentativa de chamar a atenção do ídolo com o sucesso chiclete de Michel Teló. "Obrigado", replicou, sem dar muita atenção. Mars ainda reproduziu um mashup de Smells Like Teen Spirit, do Nirvana, Seven Nation Army, do White Stripes e Billie Jean, de Michael Jackson.

"Eu não posso ir embora de São Paulo sem cantar essa música, olhando no fundo dos olhos de uma garota da plateia", disse, para alegria do público feminino, em tom libidinoso. "Você, qual seu nome?", perguntou, apontando para um das garotas da primeira fila. "Quer saber de uma coisa, vou cantar para todas vocês", afirmou, antes de embalar o hit Just The Way You Are e o bis Talking To The Moon.

Florence rouba a cena. Se faltou certo equilíbrio à apresentação de Bruno Mars, a banda Florence And The Machine certamente arrebatou novos fãs no Summer Soul. O grupo liderado pela ruiva Florence Welch subiu ao palco pontualmente às 21 horas e dominou a plateia com os hits Shake It Out, What The Water Gave Me e Dog Days Are Over

Florence desfilou com a bandeira do Brasil na introdução de Dog Days Are Over e fez todo mundo pular em sincronia no refrão de seu maior sucesso. A britânica também preparou uma homenagem para a diva do soul Etta James, que morreu na semana passada, aos 73 anos. Ela cantou Something's Got A Hold On Me. No final, onze músicas depois, em No Light, No Light, Florence sorriu ao ouvir o público cantar, e mais uma vez agradeceu: "São Paulo, nós somos a Florence And The Machine e estamos muito felizes por estarmos aqui. Obrigado por tudo", disse.

Luzes estrategicamente montadas no palco fizeram parte do espetáculo que, de longe, não englobou apenas a voz cadenciada de Florence, mas todo o circuito apoteótico do grupo inglês.

O cantor carioca Seu Jorge, que foi escalado para se apresentar entre o Florence And The Machine e Bruno Mars, atração principal, não desapontou e fez o público cair na dança na Arena Anhembi. 

Hits como Mina do Condomínio, Carolina e Burguesinha foram responsáveis por trazer cantos em coro. De terno vermelho e óculos escuros, Seu Jorge cantou bastante, mas pouco interagiu com as pessoas. O show também incluiu diversas faixas do disco mais recente do cantor, Músicas Para Churrasco - Vol. 1.

A abertura do festival ficou com Dionne Bromfield, afilhada de Amy Winehouse. Com voz potente e postura segura no palco, a britânica de apenas 15 anos agradou o público ao cantar Good For The Soul e Mama Said, além de Ain't No Mountain High Enough, de Marvin Gaye e Tears Dry On Their Own, da própria Amy. 

Depois de Dionne, Rox, 23 anos, outra novata, pisou no palco. Com um vestido longo azul, Dione mostrou a que veio e cantou hits como My Baby Left Me e I Don't Believe, além de um cover da música Only Girl In The World, de Rihanna.

O Summer Soul Festival acontece agora no Rio de Janeiro, nesta quarta-feira, 25, e em Florianópolis, no domingo, 29.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.