Divulgação
Divulgação

Com show enérgico, O Terno se consolida como grande aposta do rock nacional

Banda se apresentou no Vento Festival, em Ilhabela, no litoral norte de SP

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

18 Julho 2015 | 09h46

ILHABELA - Com rimas fáceis e letras doces, a cantora Norma Nascimento abriu a segunda noite do Vento Festival, em Ilhabela, na noite desta sexta-feira, 17, em grande estilo. O talento da cantora fica evidente já nas primeiras musicas. Influenciada pela riqueza poética de Cartola e a malandragem de Noel Rosa, a artista mescla força e sutileza na medida certa. Ao chamar o sanfoneiro Felipe Macarrão para subir ao palco, Norma conseguiu atrair um bom público. A artista também brincou com a temperatura agradável que fazia na cidade. "Estamos vivendo o verão em pleno inverno", disse antes de tocar uma versão inusitada de "Samba de Verão", clássico de Marcos Valle. "Encontros e Despedidas", de Maria Rita, também foi bem recebida pelo público que por volta das 20h45 ainda era modesto.

Às 21h15 foi a vez da banda O Terno se apresentar. As canções do novo disco homônimo do grupo, lançado em 2014, dominaram o set dos paulistanos. Em "Eu Confesso", o power trio mostrou sua potência sonora e atraiu uma multidão para o pequeno palco do evento. Com canções que falam de amor de maneira intensa e frenética, o conjunto mostrou porque é um dos grandes nomes do rock independente na atualidade. Formado por Tim Bernardes (vocal, guitarra e teclados), Guilherme D'Almeida (baixo) e o recém-incorporado Gabriel Basile (bateria), o som de O Terno está mais coeso e maduro. Se em "66", primeiro trabalho da banda, eles buscavam identidade e sonoridade, agora eles encontraram uma personalidade mais consistente. "Tocar num festival menor te proporciona um contato mais intimista com o público. É diferente de se apresentar no Lollapaloooza, por exemplo. São duas coisas distintas", diz o vocalista Tim Bernardes em entrevista ao Estado após o show.

Com 70% dos hotéis da região de Ilhabela ocupados devido ao festival que vai até domingo, a maior ilha oceânica do Brasil já tinha um bom público por volta da meia-noite. O músico e compositor Lira encerrou a segunda noite do festival em grande estilo. Embalado por canções de seu segundo disco solo, O Labirinto e o Desmantelo, o artista usou e abusou do psicodelismo elétrico e da poesia. Lira ficou conhecido pelo seu trabalho na banda Cordel do Fogo Encantado. As letras narradas em primeira pessoa dão mais sentimentalismo à apresentação do músico.

O Vento Festival continua nesta sábado, 18. Os destaques do terceiro dia do evento são as cantoras Céu, que toca às 23h, e a banda Holger, que se apresenta às 20h. Saulo Duarte faz show às 21h30. No domingo, 19, é a vez  de Fidura, Guizado e Inky se apresentarem.

18 de Julho - sábado

MC Max B.O. apresentando

20h às 21h - Holger

21h às 21h30 - DJ Mataga e Dip

21h30 às 22h30 - Saulo Duarte e a Unidade

22h30 às 23h - DJ Mataga e Dip

23h às 00h20 - Céu

00h20 às 01h0 - DJ Mataga e Dip

19 de Julho - domingo

15h às 16h - Fidura

16h às 16h30 - DJ Phill

16h30 às 17h30 - Piratas da Ilha

17h30 às 18h - DJ Phill

18h às 19h10 - Guizado

19h10 às 19h30 - DJ Phill

19h30 às 20h3 - Inky

FESTIVAL O VENTO

Endereço: Praça das Bandeiras - Centro (Vila) - IlhaBela - SP

Dias: 16, 17 e 18 a partir das 19h e dia 19 a partir das 15h

Gratuito

Mais conteúdo sobre:
O Vento FestivalO Ternorock

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.