Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Com quase duas horas de atraso, Guns 'n Roses reforça sucesso em São Paulo

Grupo de hard rock se apresentou por quase três horas em um repertório de 27 músicas

Luiz Fernando Toledo, O Estado de São Paulo

31 de março de 2014 | 05h09

 O legado de duas horas de atraso no emblemático Rock in Rio de 2011 teve replay com o Guns 'n Roses deste ano. Só faltou a chuva. Sem concretizar a previsão de tempo ruim, o lendário grupo de Hard Rock - que tem apenas Axl Rose como membro original - subiu ao palco da Arena Anhembi às 23h35, depois da apresentação das bandas Dr. Pheabes e Plebe Rude. Axl, Dj Ashba (guitarra), Richard Fortus (guitarra), Tommy Stinson (baixo), Dizzy Reed (teclados) , Ron Thal (guitarra) e Frank Ferrer (bateria) apresentam-se pela quarta vez este ano no País - a turnê já passou por Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília.

O longo set de 27 não permitiu reclamações do público de 26 mil pessoas. Chinese Democracy - do polêmico álbum homônimo que quebrou o silêncio criativo do grupo desde os anos 90 - abriu o espetáculo. O microfone pareceu abafado e as notas já graves da voz de Axl quase desapareceram com as labaredas de fogo ao redor do palco e a persistência dos mais assíduos fãs. Mesmo sem a popularidade de outros álbuns, a faixa que dá título ao último álbum fez o público cantar em coro.

A voz de Axl, outrora potente em seus agudos, já não soa como no auge do grupo. Opinião que para os fãs, não pareceu fazer diferença alguma. Gritaram enlouquecidos quando o primeiro acorde de Welcome to the Jungle estourou pela Arena. Entre os refrões, o vocalista interagiu com o público e gritou “São Paulo” por diversas vezes. Na sequência, It's so Easy arranhou ainda mais a garganta dos presentes.

O set contemplou toda a carreira do Guns'n Roses, passando por faixas como Mr. Brownstone, You Could be Mine, Sweet Child 'o Mine, November Rain e outros clichês obrigatórios.

O show veio também para reforçar o aspecto multigeracional do Guns 'n Roses. Gente de todas as idades cantando os novos e os antigos sons da banda. Espremeram-se todos na grade para ouvir o solo de piano de Dizzy Reed e da guitarra de Richard Fortus.

Perto de seu 30º aniversário, Guns 'n Roses mostrou um espetáculo mais empolgante do que aquele realizado no Rock in Rio em 2011. Mesmo porque sob chuva, o resultado daquele ano não poderia ser melhor.

Bandas de abertura. Dr. Pheabes tocou por pouco mais de uma hora e animou fãs do grupo, e amantes do Guns 'n Roses. O show teve início às 19h50, seguido pela Plebe Rude, às 21h15, mesma banda que abriu para os americanos nesta terça-feira, em Brasília. O grupo veio à capital paulista a convite do Guns 'n Roses. Com um repertório empolgante, covers e muitas interações com o público, os músicos foram capazes de segurar os ânimos que aguardavam ansiosamente pelos protagonistas da noite até às 22h20, quando se despediram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.