Penguin Random House/AFP/Arquivos / Joe Giannetti
Penguin Random House/AFP/Arquivos / Joe Giannetti

Com prosa graciosa e sincera, biografia de Prince traz de volta histórias do enigmático músico

'The Beautiful Ones' chega às livrarias, nos EUA, esta semana e é o resultado da colaboração entre Dan Piepenbring e Prince, o astro do pop morto em 2016

Redação, AFP

01 de novembro de 2019 | 08h14

Mestre do funk, gênio da música, visionário radical... Foram muitos os elogios ao lendário artista Prince, mas o coautor de seu novo livro de memórias não encontra palavras que sintetizem sua obra. "Prince seria capaz de inventar alguma. Gostaria que estivesse aqui para me ajudar a expressar o que senti ao conhecê-lo", afirmou Dan Piepenbring, entre risos.

Alguns meses antes de sua morte em abril de 2016, Prince escolheu o então jovem de 29 anos para ajudá-lo a escrever uma biografia que "quebrasse o padrão das memórias".

"Se quero que este livro seja sobre uma coisa geral, esta coisa é a liberdade. E a liberdade de criar de forma autônoma", escreve Prince em The Beautiful Ones (Os Belos, em tradução livre), publicado esta semana.

"Quero dizer às pessoas que sejam criativas. Simplesmente comece criando o seu dia", disse Prince. "E então crie sua vida", completou.

A morte do artista, aos 57 anos, por uma overdose de opioides mudou os planos do livro. Inicialmente, a ideia era mergulhar na personalidade criada durante uma bem-sucedida carreira de décadas, na qual deu forma e reformulou o futuro do pop.

"Tentava esconder tudo o que havia ali fora sobre ele. Sentia que muitas coisas estavam ruins, ou mal dirigidas", disse Piepenbring à AFP. O livro era uma forma de "corrigir o registro", disse o escritor.

Mas "não levou muito tempo para ele se dar conta de que o livro poderia ser muito mais do que isso, que não tinha que ser apenas uma correção, mas que havia muito poder neste meio", completou. "Acho que a forma realmente o entusiasmou - como uma extensão de suas letras de música".

O livro inclui reflexões de Piepenbring sobre sua colaboração com o enigmático Prince, um catálogo de imagens com fotos e páginas de cadernos do início de carreira com letras escritas à mão e uma sinopse do que acabaria sendo sua obra emblemática Purple Rain.

Em seu léxico único que substitui as palavras com letras e números singulares (Prince foi um dos primeiros a adotar a linguagem da Internet), o astro é poético sobre sua vida na cidade de Minneapolis, onde cresceu.

Em particular, afunda em recordações e pensamentos sobre os pais e sobre sua profunda influência sobre ele.

Sua prosa graciosa e sincera descreve episódios de epilepsia infantil, sua puberdade, seu primeiro filme para maiores e seu primeiro beijo, quando, então um menino, brincava em casa com sua amiga Laura: ela "se parecia com a Elizabeth Taylor, só que pequena".

"Laura me beijou três vezes nesse dia", conta. "Esses beijos... foram tudo para mim".

Segundo Piepenbring, Prince era "um narrador convincente, divertido e animado", com um "segundo intelecto".

"Sua mente estava sempre em movimento. Parecia estar sempre 12 passos à frente de todos", completou.

Piepenbring falou pela última vez com Prince quatro dias antes de sua morte. "Foi a primeira vez que não senti nervoso", lembrou. "Me pareceu que ele ainda tinha tanta vida por viver", completou o autor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.