Rafael Arbex
Rafael Arbex

Com gritos de 'Fora, Temer', Liniker abre os trabalhos da Virada Cultural

Cantora fez uma apresentação poderosa na Chácara do Jockey

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2017 | 19h35

Atualizado às 22h49

Na Chácara do Jockey, na zona sul de São Paulo, Liniker fez uma apresentação poderosa na abertura da Virada Cultural 2017 no final da tarde deste sábado, 20. A performance arrebatadora da cantora, que incluiu as faixas de seu primeiro disco de estúdio, 'Remonta' (2016), animaram o público discreto que foi até o local. Por volta das 18h30, pouquíssimas pessoas assistiam à performance da artista. Aos poucos, o local foi enchendo.

A falta de iluminação do parque também foi um dos pontos negativos da Chácara do Jockey. "Está bem escuro. Fica difícil se locomover. Sei lá, tenho medo", disse a estudante Jéssica de Almeida Santos, de 23 anos. Apesar da escuridão, a segurança do local estava reforçada, com muitos policiais militares circulando pelo parque. "Tem bastante policial. Isso, de certa forma, deixa a gente com menos medo", relatou a administradora de empresas Andressa Alves, de 25 anos.

Não demorou muito tempo para que os primeiros gritos contra o presidente Michel Temer surgissem. "Fora, Temer", disse Liniker no palco. O público, em êxtase, acompanhou.

LEIA MAIS: Abertura da Virada Cultural no Anhembi tem pouco público

Em 'Zero', música mais conhecida de Liniker e os Caramelows, a iluminação colorida do telão contagiou os fãs, que cantaram o hit do começo ao fim, sem deixar escapar uma única estrofe.

Raquel Virgínia, do grupo As Bahia e a Cozinha Mineira, subiu ao palco para cantar duas músicas com Liniker. Juntas, elas fizeram um discurso contra a transfobia. "Hoje, meus amigos, nós vamos cantar parabéns para uma transexual, sim!", disse Liniker em homenagem a Raquel, que faz aniversário neste sábado, 20.

As Bahias e a Cozinha Mineira se apresentaram pontualmente às 20h30. Ao lado de Tulipa Ruiz e com um repertório heterogêneo, o show foi enérgico.

A música latina tomou conta do chamado palco 2, o secundário. As atrações argentinas Moss Bolívia e Morbo y Mambo fizeram o público dançar.

As atrações variadas espalhadas pela Chácara do Jockey fizeram com que o público ficasse ainda mais disperso. As chamadas pistas, com música eletrônica e reggae, transformaram o local em baladas heterogêneas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.