Com Glen Matlock no palco, clássicos do Sex Pistols salvam show do Brothers of Brazil no Rock in Rio

Com Glen Matlock no palco, clássicos do Sex Pistols salvam show do Brothers of Brazil no Rock in Rio

Um fraco discurso político foi ensaiado por Supla antes da canção 'Tudo pelo Poder'; acompanhe a cobertura completa ao vivo

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2015 | 16h31

Começou morno. O Brothers of Brazil, formado por Supla e seu irmão João Suplicy, abriu os trabalhos do Palco Sunset na tarde deste sábado, 26, com um show que mais parecia de Glen Matlock, ex-baixista da banda Sex Pistols, do que do duo paulistano.

Um fraco discurso político foi ensaiado por Supla antes da canção 'Tudo pelo Poder'. 'Vocês estão satisfeitos com os partidos políticos?' perguntou Supla antes de assumir a bateria e tocar a canção. 

Supla e João até começaram bem. A praiana 'A Vida Num Segundo' animou levemente a gigantesca fila que se formava por volta das 16h para conseguir andar na roda gigante da Cidade do Rock. A leveza da composição combinou com o clima mais ameno, depois de 2 dias de intenso calor no Rio de Janeiro.

As versões de 'Imagine', de John Lennon, e 'Rock And Roll', do Led Zeppelin, foram pouco funcionaram e não surtiram efeito na plateia. Duas escolhas ousadas.

Fato é que o Brothers of Brazil vai bem quando toca suas próprias músicas. Há belíssimas composições ali. Covers arriscados, de musicas tão conhecidas, empobrecem o set dos irmãos.

'Green Hair' e 'Garota de Berlim', dois conhecidos sucessos de Supla, - embora esta última seja creditada ao Tokyo, sua primeira banda, - deram uma cara diferente à performance dos dois. O público muito jovem, no entanto, pouco se empolgou.

Glen Matlock, ex-baixista do Sex Pistols tratou de melhorar a apresentação sem sal do duo. Juntos, eles tocaram o hit 'God Save The Queen' e chegaram, inclusive, a arrancar alguns aplausos mais entusiasmados. Faltou um pouco mais de ousadia para o Brothers of Brazil

 

Mais conteúdo sobre:
Rock in Riomúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.