João Paulo Carvalho/Estadão
João Paulo Carvalho/Estadão

Com filas 'modestas', Lollapalooza tem feirinha gastronômica dentro do festival

'Chef's Stage' tem opções como ceviche, sanduíche de picanha defumada e kebab

João Paulo Carvalho - O Estado de S. Paulo,

05 de abril de 2014 | 15h07

A feirinha gastronômica com chefs renomados foi uma das principais novidades desta edição do Lollapalooza, realizado no Autódromo de Interlagos, na capital paulista. Quem esteve no festival neste sábado, 5, pôde trocar a famosa e gordurenta junk food por um ceviche preparado pelo chef colombiano Dagoberto Torres, do Suri Ceviche Bar, ou um kebab do restaurante Baruk. Até o início da tarde as filas não foram problema para os que queriam saborear a comida "diferenciada" do local.

 

Entre os quitutes vendidos por R$18 se destacaram o sanduíche de picanha defumada com cebola roxa, do chef Allan Prisco (Augusta Bakery e 162 Hamburgueria); o chilli com nachos de Benny Novak (Ici/Tappo Trattoria/210 Diner) e o sanduíche de pernil da chef Daniela França Pinto (Marcelino Pan y Vino).

 

A estudante de administração de empresas, Fabiane da Rocha Saicro, 23, apoiou a iniciativa gastronômica. "Achei a ideia sensacional. Eventos assim podem e devem incitar boas práticas relacionadas à alimentação. Não é porque se trata de um festival de rock que vamos só comer besteiras. Os preços estão adequados, nada muito caro e as filas curtas. No geral, o atendimento também foi bom", disse.

 

Mesmo com a comida à la carte, alguns ainda apelaram para o fast-food, como o publicitário Jonas Cardoso, 31, de Belo Horizonte. "Festival de rock é isso aí, não tem como ser diferente: junk food, hambúrguer, bata frita e cachorro quente. Lollapalooza não combina com salada e comidinha de cozinheiro renomado", brincou o mineiro, que veio ao festival para assistir aos shows do Nine Inch Nails e do Imagine Dragons.

 

Espera. As longas filas já habituais nos festivais no País, desta vez, deram lugar a um atendimento rápido. Na área mais "nobre" apelidada de Chef's Stage, a reportagem do 'Estado' ficou em média 10 minutos na fila para conseguir provar um risoto de salmão com pesto de manjericão. Já nos food trucks espalhados por todo o Autódromo de Interlagos, a espera chegou a 20 minutos (por volta da 13h) e 30 minutos (14h30).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.