Theatro Municipal de São Paulo
Theatro Municipal de São Paulo

Com 'Fidelio', Teatro Municipal de São Paulo abre ano lírico

Versão de concerto impede percepção mais ampla da obra

João Luiz Sampaio, ESPECIAL PARA O ESTADO

09 Abril 2017 | 20h23

O encenador Calixto Bieito escreveu certa vez que Fidelio, de Beethoven, é uma obra incompleta. Não que lhe falte um pedaço, mas porque, ao narrar a história de uma jovem que se traveste de homem para salvar seu amante, mantido prisioneiro, ela coloca questões sobre liberdade, justiça e igualdade que, fundamentais e universais, precisam ser respondidas à luz do momento em que a obra é encenada. Em outras palavras, Fidelio só se completaria por meio da interpretação que se dá a ela.

Bieito é um polêmico defensor da primazia da concepção do diretor perante o original. Mas seu julgamento parece, aqui, tocar em uma questão central da obra. Fidelio, que abriu na sexta, 7, a temporada lírica do Teatro Municipal de São Paulo, se encaixa na noção de teatro de ideias. Cada personagem, mais do que um ser humano de carne e osso, representa um conceito. Vem daí o caráter estático da ação, o que poderia sugerir que uma versão em concerto, sem cenários e figurinos, é capaz de melhor iluminar as questões colocadas pela obra, como proposto pelo Municipal.

Mas, talvez, aconteça justamente o contrário: afinal, uma ópera define-se não apenas pela relação entre texto e música, mas também pelas múltiplas sugestões teatrais que nascem desse diálogo tão especial - e que oferecem o olhar complementar e contemporâneo a que se refere Bieito. Seja como for, no espetáculo apresentado pelo Municipal, a questão da forma é importante. Primeiro porque, se faz sentido à luz do contexto de início de uma nova gestão e de necessária reorganização da casa, joga para o segundo semestre e as primeiras encenações a possibilidade de vislumbrar de fato os novos caminhos do Municipal no que diz respeito à sua vocação lírica. 

Além disso, interfere na própria interpretação. A presença do narrador, substituindo os diálogos, dá um caráter entrecortado à narrativa. O resultado é uma leitura musical, a cargo do maestro Roberto Minczuk, que não oferece um arco amplo e se apoia apenas em alguns momentos inspirados, como a introdução de violoncelos, violas e madeiras ao quarteto do Ato I ou a solenidade do coro dos prisioneiros.

Por tudo isso, o ponto alto da noite de estreia foi a atuação dos cantores. A começar pela Leonora/Fidelio da jovem soprano Marly Montoni, explorando habilmente os múltiplos coloridos de uma voz especial Ao seu lado, outros intérpretes seguros e maduros, como Caroline de Comi, Carlos Eduardo Marcos e Giovanni Tristacci. A decepção foi o Florestan de Ricardo Tamura, hesitante, e com problemas de afinação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.