Coldplay: grupo canta para poucos na 2.ª vinda a SP

Os fãs dedicados já sabem tudo o querolou com o Coldplay na passagem por Chile e Argentina, noinício da turnê latino-americana, que começou no dia 14 e chegaagora a São Paulo. Nos três concorridos e restritos shows que oquarteto fará, desta segunda a quarta, na Via Funchal, oesquema não muda. As restrições impostas pelo alto valor dosingressos (esgotados em poucas horas para as três noites), entreR$ 150 e R$ 400, talvez não sejam problema para a maioria dosque fazem tudo por sua banda predileta. O pior é ter de engoliro Papas da Língua como show de abertura.Agora, não há poder aquisitivo que vença os limites físicos daplatéia. Como em Santiago e Buenos Aires, o Coldplay não querninguém em pé, daí a adaptação da casa às exigências: serãoapenas 2.757 privilegiados do País inteiro por noite, preparadospara ver o show sentados em cadeiras numeradas. Pelo menos oserviço de bar deve funcionar normalmente durante a apresentação. Para o camarim, a banda pediu liquidificador para fazer sucos evitaminas, iogurte e frutas. A banda quer ainda experimentar umpeixe nativo. Mas isso não vem ao caso.Além de poder se gabar de estar entre os sortudos a ter aregalia de ver a banda de perto - e com um certo confortoimpensável em shows de megabandas de rock -, os fãs não deverãosair frustrados com a parte musical. Ao contrário do que cogitoua princípio, o quarteto britânico desistiu da idéia extravagantede fazer um show inteiro apenas com canções inéditas. Incluiu noroteiro um punhado de hits - se bem que quase tudo deles virahit."Se tivéssemos estreado alguma canção, amanhã já estaria nainternet e se acabaria a novidade. Ao mesmo tempo acontece que,quando chegamos pela primeira vez a algum lugar, uma canção comoYellow se transforma em algo novo", disse o vocalista ChrisMartin em entrevista coletiva em Santiago. Acontece também que,ao contrário de Chile e Argentina, o Coldplay já esteve noBrasil, o que de certa forma pode mudar a maneira de lidar com opúblico e arriscar.Como a disposição de Martin (que completou 30 anos nasexta-feira, 23) também oscila, tudo pode acontecer. Naquinta-feira, ele interrompeu um encontro com a imprensa emBuenos Aires, de mau humor, por causa de comentários sobre ascríticas negativas que o primeiro show do grupo recebeu no Chile "Pode ser a banda número 1 do mundo, vender milhões de discos,mas o comentário de uma só pessoa pode te destruir", enfatizouMartin.CarreiraO Coldplay cresceu muito desde que pisou em São Paulo, na mesmaVia Funchal, cerca de três anos e meio atrás. É hoje senão a nº1 a 1,5 do mundo. Pelo menos as vendagens de CDs apontam paraisso. O álbum de estréia, Parachutes (2000), contabiliza 7,5milhões de unidades no mundo; A Rush of Blood to the Head(2002) foi comprado por 11 milhões no planeta; X&Y (2005)salvou o ano da gravadora EMI com 10 milhões de cópias vendidasao redor do mundo. Além do mais há os vários singles e EPs,outro álbum ao vivo, Live 2003, com CD e DVD, e versõesalternativas como a de X&Y, com DVD-bônus, incluindo clipes efaixas extraídas de singles, que acaba de sair no Brasil.Outro petisco para os fãs sai no dia 26 de março (lá fora, éclaro). É um box set contendo os 14 singles da banda, de1999-2006, somente em vinil. A caixa inclui o disputado TheBlue Room EP (1999), que chegou a sair em CD, mas está fora decatálogo. Isto, porém, não se tornou empecilho para qualquer umque queira ter acesso; o que não falta é de onde baixar nainternet.Em breve vem material novo. Chris Martin (vocais, violão, piano) Will Champion (bateria), Jonny Buckland (guitarra) e GuyBerryman (baixo) se preparam para gravar o quarto álbum deestúdio, cercado do habitual mistério. O produtor mais cotado éBrian Eno, que comentou num programa de rádio da BBC, em Londres que o disco será "muito original e diferente de tudo o que elesfizeram antes". SexoNa entrevista coletiva em Santiago, Martin disse que as letrasdas canções vão tratar exclusivamente de sexo. "Como vocês,também li que o novo disco vai ser produzido por Brian Eno. Naverdade, é uma das pessoas que estamos chamando para produzir asnovas canções. Em si, ele é uma inspiração, mas não implicarámudar a essência de nossa música", afirmou Martin.Vale lembrar que o U2 - banda com a qual o Coldplay vem sendoexaustivamente comparado, por motivos evidentes - começou amudar de perfil sonoro a partir do álbum The UnforgettableFire (1990), produzido por Eno, em parceria com Daniel Lanois."O primeiro disco você lança para ter trabalho e se expressar.Com o segundo, vai ter de mostrar que não foi casualidade. Noterceiro, sempre começa a onda negativa e te jogam para baixo.Esperamos que com o quarto tenhamos a liberdade de fazer o quebem entendermos", analisou Martin.Argumentar que se sente "deprimido" com uma crítica podecombinar com principiantes, mas soa esquisito quando se trata dolíder de uma banda desse porte. Mas talvez eles realmente não seachem grande coisa. "Nunca ouvimos dizer que somos os maiores daEuropa. Não alcançamos nada ainda. Estamos a ponto de nosconvertermos em grandes, mas isto é só um aquecimento", ponderaMartin. Como se nota na (e no) real, milhares de fãs não acham isso e,enfim, pagam o preço da decisão de o Coldplay fazer shows emlugares pequenos em países que não visita toda semana. Diantedas conseqüências previsíveis, Martin se disse espantado com ovalor dos ingressos cobrados para os shows do Chile e pediudesculpas pelo fato. Isso porque ele não sabe o que foi apassagem (subsidiada) do Cirque du Soleil por aqui. O brasileirojá está acostumado com as facadas. E essa até que dói menos,moralmente falando. Coldplay. Via Funchal (2.757 pessoas). Rua Funchal, 65, VilaOlímpia, zona sul. Tel.: (11) 3089-6999. Hoje, amanhã e quarta,22 h. R$ 150 a R$ 400 (ingressos esgotados)Roteiro*1. Square One 2. Politik 3. Yellow 4. Speed of Sound 5. God Put a Smile Upon Your Face 6. What If 7. Sparks 8. White Shadows 9. The Scientist 10. ?Til Kingdom Come 11. Trouble 12. Clicks 13. Talk 14. Swallowed in the Sea 15. In My Place 16. Fix You *Baseado no show de estréia da turnê latino-americana, emSantiago do Chile, no dia 14. Prováveis variações: Green Eyese A Rush of Blood to the Head (substituindo ?Til KingdomCome, What If ou Swallowed in the Sea).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.