Coca-Cola Vibezone tem público menor que esperado

Realizado na sexta-feira e no sábado na Hípica Santo Amaro, o Coca-Cola Vibezone teve público muito menor do que era esperado. Eram aguardadas 20 mil pessoas por dia, mas o festival, como um todo, reuniu não mais do que 18.600 pessoas, segundo a organização. A edição de sábado, sobre a qual recaíam todas as expectativas de freqüência, foi prejudicada pela chuva incessante.A programação de shows, que apostou nas atrações já famosas, delineou o perfil do público de cada dia. Na sexta, a presença de Nando Reis, Capital Inicial e Ira!, surgidos nos anos 80, ajudaram a atrair uma turma mais velha. Já no sábado, as bandas Detonautas, CPM22 e Ludov fizeram a alegria dos teens.Mas os shows não foram a única alternativa. Contemplando várias tribos adolescentes, público alvo do evento, havia espaços para quem gostasse de música eletrônica e de esportes radicais, para quem quisesse testar a vocação para VJ, para namoradeiros ou, simplesmente, para quem não quisesse fazer nada nos intervalos, como no Vibe Sussa. Na tenda Vibe Pega, área exclusiva para a paquera, brincadeiras denunciavam um tipo de comportamento em alta entre os adolescentes: o de beijar um menino ou menina e depois ir embora, sem conversar ou trocar número de telefone. Nesses casos, sabe-se apenas o nome do parceiro momentâneo e olhe lá. Na tenda Vibe Gás, a pista de skate era o único "brinquedo radical" à disposição da galera no sábado, por causa da chuva. O auge foi quando a banda carioca Dibob se apresentou ao fundo, como parte do cenário dos skatistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.