Cidade do Rock espera público de um milhão

Em aproximadamente 30 meses, mais de dois mil desenhos foram feitos para tecer o conceito da cidade do rock: ser o palco para o festival do milênio, que tem por princípios buscar a reflexão de um mundo melhor. Para a realização disso, há cerca de um mês a empresa Kreimer Engenharia constrói a cidade, que ocupará uma área de 250 mil metros quadrados em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. O local ficará pronto no início de janeiro, para que a cenografia e complexos sistemas de luz e som sejam montados e rigorosamente testados com antecedência.A expectativa de público para todo o festival é de um milhão de pessoas. Segundo Roberto Kreimer, que será o prefeito da cidade, a função da Kreimer Engenharia no Rock in Rio por um Mundo Melhor é a de "general contractor". Ele explica: "Somos responsáveis por todo o planejamento, projeto, contratações e fiscalização de tudo o que não é rock, mas fundamental para que o rock possa existir." A mesma empresa construiu o Rock in Rio Café, um dos novos espaços de entretenimento no Rio onde são realizadas as eliminatórias da Escalada do Rock.A cidade do rock terá, por exemplo, dois Beer Garden (com previsão de consumo de 2,5 milhões de copos de refrigerante/cerveja), dois grandes centros de alimentação e dois shopping centers (com 50 lojas). Além disso, haverá três palcos para música, chamados de tendas: Eletro (1.287 metros quadrados), Brasil (1.500 metros quadrados) e Raízes (1.500 metros quadrados). As distâncias entre os palcos é de aproximadamente 300 metros.O engenheiro civil Nelson Fiedler desenhou as principais estruturas internas e externas da cidade. As suas idéias high tech, que permeiam todo o ambiente, sustentam a proposta de que "o planeta é um ser vivo, vibra, manisfesta-se e, por isso, é preciso valorizá-lo". Essa interatividade ocorre tanto por meio de gigantescos detalhes plásticos - no caso do Palco Mundo (tem estrutura metálica correspondente a um prédio de 14 andares), que ganha sentido de celebração da vida pela presença de "88 tetas gigantes" -, como pela disposição de cercas, que foram desenhadas para não machucar os espectadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.