Chris Isaak volta mais pop e menos romântico

Apesar de ter quase 20 anos de carreira, Chris Isaak continua um desconhecido no Brasil. Mesmo nos Estados Unidos, onde apresenta um programa de televisão semanal, o cantor só tem seu talento reconhecido pelos fãs. Isaak não tem a pretensão de ser um astro do rock ou vender milhões de discos. Mas, em 90, quando o cineasta David Lynch usou a música Wicked Game em seu filme (Coração Selvagem), o músico saiu do limbo e foi eleito artista revelação daquele ano e aclamado como um futuro astro. Uma década depois e com sete discos no mercado, ele está lançando o seu mais novo trabalho, Always Got Tonight.O álbum traz o cantor de 44 anos de volta ao clima pop do disco Heart Shaped World, de 89, que o consagrou. Para quem não o conhece, ele pode ser rotulado como um misto de Roy Orbison e Johnny Rivers, não apenas pelo seu visual anos 60, Isaak conserva um topete à Elvis Presley, mas pelo seu tom de voz e seu rock balada. Desta vez o músico não quis arriscar como nos últimos dois discos, Baja Sessions (96) e Speak of The Devil (98) , que comercialmente não funcionaram, e atacou com um repertório fácil de ser consumido.O primeiro single faz juz a sua fama de roqueiro das antigas, Let Me Down Easy poderia ter sido gravado por Roy Orbison ou Everly Brothers nos 60. O mesmo acontece com Courthouse e Cool Love. Já o lado quase country de Isaak está mais explícito nas canções I See You Everywhere e Nothing to Say. O cantor também não esqueceu de colocar um pouco de rock no CD. Em Nothing The Ring e na faixa-título, Isaak prova que teria mais sucesso se direcionasse seu som para algo mais agitado. Para os fãs, o disco traz ainda o tema de abertura do programa do cantor no canal VH1, American Boy. Com este lançamento, que felizmente a gravadora Warner "ousou" e lançou no Brasil, Isaak, provavelmente, vai continuar um "desconhecido" por aqui, mas conseguirá alcançar um público maior. O disco tem uma qualidade musical acima da média se for comparado com a mediocridade dos CDs que foram lançados nos últimos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.