Chivas Festival vê passado, presente e futuro do jazz

Cuidadoso em sua proposta de oferecer um painel de passado, presente e futuro de um gênero, o Chivas Jazz Festival traz grandes músicos para sua quarta edição. Não só as estrelas, como o pianista Andrew Hill (pela primeira vez no Brasil), mas também os "coadjuvantes" prometem esquentar a platéia. Um exemplo: o baixista escalado para tocar na Sun Ra Arkestra, conjunto "cósmico e estelar" que celebra a memória do pianista Sun Ra (1914-1993), é ninguém menos que o veterano John Ore, que tocou num dos maiores clássicos da carreira do pianista Thelonious Monk, Monk´s Dream (Columbia, 1962). A batida de Ore também pode ser encontrada em The Complete Lester Young Studio Sessions on Verve, que registra sessões da banda do saxofonista Lester Young (1909-1959) entre 1946 e os dias anteriores a sua morte.Outra lenda em cena: o baterista Louis Hayes, de 67 anos, que foi uma peça-chave na construção da linguagem do hard-bop, enfileirando suas baquetas com nomes como Horace Silver e Cannonball Adderley. Hayes emergiu como bandleader nos anos 80, medindo forças com jovens prodígios como Javon Jackson. O Brasil também será apresentado a um autor de discos de grande sofisticação e plasticidade, como o recente A Beautiful Day (Palmetto Records). Trata-se do pianista Andrew Hill, expoente do instrumento em Chicago, que reinventa o swing, o blues, a balada e ritmos afro-hispânicos com um senso muito particular de composição e invenção.Brasileiro - Depois de promover o "repatriamento" de dois ilustres músicos que vivem no Exterior, o maestro Moacir Santos e o pianista Dom Salvador, o Chivas Jazz Festival escolheu um novo exilado para reintroduzir ao público nacional: o trombonista Raul de Souza, carioca de Botafogo que atualmente vive em Paris, um cigano embaixador da música brasileira. Raul, que não toca em São Paulo há uns 4 anos, vem ao Chivas Festival com "uma molecada de 30 anos" que conheceu em Curitiba, onde viveu entre 1958 e 1963 e tocou na Banda da Aeronáutica. Em 1964, estava com Sérgio Mendes no Bossa Rio. Depois, viveu 18 anos nos Estados Unidos. Está há 7 em Paris.Ingressos - As vendas de ingressos para o festival, que ocupa simultaneamente o Directv Music Hall, em São Paulo, e a Marina da Glória, no Rio, começam hoje. No Rio de Janeiro, as vendas antecipadas serão feitas pela Ticketronics, por meio do site www.ticketronics.com.br ou do telefone 0300-789-3350 (custo da ligação: R$ 0,29, por minuto de telefone fixo). Em São Paulo, as vendas antecipadas ficam a cargo da Ticketmaster através do site www.ticketmaster.com.br e do telefone (0--11) 6846-6000, em São Paulo, ou 0300-789-6846, em outros estados (custo da ligação: 0,30 por minuto de telefone fixo, mais imposto, e R$ 0,77 por minuto de telefone móvel, mais imposto). O preço dos ingressos varia entre R$ 35 e R$ 45, no Rio, e entre R$ 35 e R$ 65, em São Paulo. Mais informações podem ser obtidas no site oficial do evento, www.chivasjazz.com.br, que já está no ar. Ingressos também serão vendidos nas bilheterias dos locais dos shows, mas apenas nos dias das apresentações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.