Chimera Music Festival traz Sepultura e Slipknot

Os mascarados tocam hoje no Chimera Rock, no Anhembi, numa jornada que tem ainda Sepultura e Korzus; no sábado, Nokia Trends, com Audio Bullys e o Human League; domingo, a ninfa canadense Avril Lavigne agita o Pacaembu.O grupo de heavy metal norte-americano Slipknot - que toca hoje em São Paulo, principal atração do Chimera Festival, na Arena Anhembi veste-se de aberrações de filme B em cena desde que a banda surgiu, em 1996, com o álbum Mate, Feed, Kill, Repeat. As máscaras que eles usam impressionam de diversas maneiras. Em junho, durante sua turnê pela Europa, foram acusados pela Igreja Ortodoxa de Atenas, na Grécia, de "promover o demônio e o satanismo". "As máscaras foram apenas um jeito que nós usamos, no começo de nossa carreira, para nos distinguirmos das outras bandas", conta Chris Fehn, um dos 9 músicos sem rosto do Slipknot (os outros são Clown, Corey, James, Joey, Mick, Paul, Sid e 133). O Slipknot que chega aqui é, a julgar pelos contatos telefônicos, um grupo boa gente total. Garotos de Iowa, eles anunciaram que viriam ao Brasil no ano passado, quando o guitarrista James deu uma entrevista ao Estado, com exclusividade. Sua música é um death metal de ensurdecer, anabolizada por gritos, sirenes, percussão com cadência militarista, sampling, ruídos agressivos - e até um pouco de melodia. Eles não apreciam o nu-metal. Definem seu som como "brutalmente honesto e agressivo". Chris Fehn diz que, embora não sejam inspirados em outros mascarados famosos do rock, como Kiss e Marilyn Manson, eles apreciam bastante a abordagem teatral dessa turma. No ano passado, o Slipknot esteve no Rock in Rio Lisboa, na época mostrando seu mais recente disco, Vol. 3: (The Subliminal Verses) - no Brasil, lançado pela Sum Records. No mês que vem e em novembro, a turnê desse disco será gravada durante um mês para o lançamento de um álbum ao vivo da banda. Eles gostam da simbologia de filme de terror. Para gravar Subliminal Verses, enfurnaram-se durante meses com o produtor Rick Rubin num casarão com fama de assombrado em Laurel Canyon, Los Angeles, chamado de The Mansion (A Mansão). O clima sobrenatural sugestionou a garotada, que vê "ecos" de mistério no álbum. "Havia fantasmas nas máquinas, no equipamento. As coisas paravam subitamente, ou então faziam um loop sem nenhuma razão aparente. Foi estranho", disse ao NME o cantor Corey Taylor. Chimera Music Festival. Korzus, Chipset Zero, Sepultura e Slipknot. Arena Skol Anhembi. Av. Olavo Fontoura, 1.209, 2162-7250. Hoje, a partir das 19h (portões abrem ás 15h). R$ 80 (R$ 150 entrada Vip). Estacionamento: R$ 14

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.