Chico Saraiva vence o 6.º Prêmio Visa

Chico Saraiva foi o vencedor do 6.º Prêmio Visa de Música Popular Brasileira - Edição Compositores. Nascido no Rio de Janeiro, o compositor, violonista, arranjador, produtor e professor Chico Saraiva, de 29 anos, cresceu em Santa Catarina, mas vive em São Paulo há oito anos. Ele foi o único que apresentou suas três canções nesta noite acompanhado dos cantores Ana Luíza (Incerteza (dele e LuizTatit) e Marcelo Preto (Lua dos Mares (em parceria com Luís Felipe Gama). Sozinho ao violão, tocou Trégua, música dele e de Luiz Tatit. Em segundo lugar ficou Sérgio Santos e em terceiro, Vander Lee - ambos naturais das Minas Gerais.O vencedor pelo voto popular foi Rafael Altério. O público presente (cerca de 1.350 mil pessoas), ao aplaudir de pé a apresentação do paulistano Rafael Altério, dava indícios desua preferência. Nando Reis, convidado para fazer o show especial da finalíssima, foi escolhido para entregar o prêmio ao compositor: uma semana em Buenos Aires ou Miami.O show especial de Nando Reis (ex-Titãs) e sua banda, entreteve a platéia de mais de 1,3 mil pessoas na Directv Music Hall enquanto o júri, presidido pelo maestro Nelson Ayres escolhia o vencedor da noite. No meio do show, Nando desejou sorte aos concorrentes e coragem para levar a carreira de músico avante. Patrocinado pelos cartões Visa do Brasil e realizado pela Rádio Eldorado, o prêmio dá ao primeiro colocado R$ 100 mil reais e odireito de gravar um CD pelo selo Eldorado, além de um troféu e certificado de participação. O segundo lugar vai levar R$ 50 mil reais, mais troféu e certificado, e o terceiro colocado, R$ 30 mil, mais troféu e certificado. Os outros dois finalistas receberão R$ 10 mil, cada um, e um certificado.Após quase três meses de apresentações e eliminatórias, o6.º Prêmio Visa chegou à sua finalíssima com a apresentação dos cinco candidatos: Celso Adolfo, Vander Lee, Chico Saraiva, Rafael Altério e Sérgio Santos. Um carioca, um paulista e três mineiros, todos com uma trajetória significativa na música brasileira.O reação contida de Chico Saraiva na hora em que seu nome foi anunciado pelaapresentadora Glória Maria tem explicação. Emvez de pulos, urros e gritos, ele ficou meio cabisbaixo, como se não estivesse acreditando no que ouvia. Mais tarde, o compositor explicou seus motivos. "Nãoacreditei, um pouco pela necessidade de não impor um climaglamouroso, mas isso é um detalhe tão pouco importante, oimportante é o espaço proporcionado para nós", justifica. "Euestava preocupado com a reação dos companheiros, com a situaçãoconstrangedora."Chico Saraiva gosta da rítmica bem trabalhada, presente, por exemplo, na obra deChico Buarque, Tom Jobim, Pixinguinha, Heitor Villa-Lobos, EduLobo, Dori Caymmi. São nomes de referência para o seu trabalho. Ele atribui a pouca apreciação do primor rítmico àagitação da vida moderna. "Percebi que minha música falava dealguma coisa que, de certa forma, as pessoas estavam sentindofalta. Sinto que a música procura uma conversa mais calma com opúblico, que não seja tão superficial como essa nossacontemporaneidade." Para o próximo CD, que gravará pelo selo Eldorado, ele já temtodo o repertório pronto. "Essa premiação é fundamental, porquesalva-vidas, salva músicas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.