Chico Buarque sobe ao palco para ajudar a Mangueira

Querendo ou não, Chico Buarque ésempre o centro das atenções nos shows fechados que a EstaçãoPrimeira de Mangueira realiza anualmente, para arrecadar fundospara seu carnaval. Na noite de terça-feira, o espetáculo foi maisuma vez em São Paulo, no Tom Brasil Nações Unidas. Reservado, háanos o compositor não lança CD, nem faz show. Suas aparições sãocada vez mais raras. E ele, que normalmente não é dado aentrevistas, em época de projeto novo, então, se torna maisavesso ainda. Mas mesmo em fase de gravação do novo CD, Chicoconcedeu uma rápida entrevista à Agência Estado, momentos antesde subir ao palco como um dos convidados da Mangueira. Evitoufalar de política e antecipou alguma coisa sobre o novo trabalho que deve ser lançado em abril.Há nove anos, você participa fielmente dosshows da Mangueira...Nesses anos todos, participei mesmo quando nãoestive em atividade musical - aliás, na maioria desses anostodos (risos). Não é trabalhoso: é o mesmo pessoal, a mesmaplatéia, as mesmas músicas, é só relembrá-las.Você falou que durante anos não esteve em atividade musicalmas agora está se dedicando a um novo CD (ainda sem título). Emque estágio a gravação está?Estou em estúdio e vou terminar agora, depois docarnaval. O repertório tem parcerias com Ivan Lins, Jorge Elder,Edu Lobo e Carlinhos Vergueiro. São 11 faixas. A idéia é lançarem abril.Na seqüência, inicia turnê?Acho que não, porque em maio tenho compromisso naAlemanha, com lançamento do livro ainda. Depois em junho, temCopa do Mundo.Você planeja voltar para a Alemanha na Copa?Não programei ainda. Mas não vou fazer nada durante aCopa. Depois, é possível fazer shows. Mas não estou muitoprogramado. A única coisa certa agora é que vou terminar o disco que comecei a gravar em setembro. Está na hora de terminar.Acabei de fazer as músicas, estava dependendo disso.Recentemente, você fez um trabalho com o Zezé di Camargo eLuciano, não foi?Foi uma gravação...Por que você aceitou participar desse trabalho?Por que não? Estou concentrado no disco, mas isso não meimpede de gravar com outras pessoas. Eles escolheram uma músicaque não é minha, mas a versão é minha de Gesùbambino (´MinhaHistória´). Ficou bem apropriada para o tipo de coisa que elesfazem. E entrei no jogo deles.Você assistiu ao filme deles, "2 Filhos de Francisco"?Agora é que vou assistir, eles me mandaram o DVD.Você acompanhou essa polêmica envolvendo Ferreira Gullar,Ministério da Cultura e a carta aberta de Caetano?Eu estava viajando, cheguei agora. Não acompanhei essapolêmica. Interrompi a gravação do disco para registrar a últimaparticipação para o programa (Chico se refere à série de TVChico Buarque, cujo último episódio está sendo exibido pelaDirecTV). O Roberto (de Oliveira, o diretor) grava adendos paraos episódios que já foram feitos. Agora mesmo fui fazeracréscimo para programas que já estavam prontos. Estive emBudapeste, em Barcelona...Qual sua opinião sobre a crise do governo Lula?Quer que eu dê uma opinião agora? Não vou dar não. Não éo momento.

Agencia Estado,

16 de fevereiro de 2006 | 14h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.