Francois Guillot / AFP
Francois Guillot / AFP

Cher quer ser voluntária dos Correios dos EUA, mas é rejeitada

Cantora e atriz é conhecida pelo ativismo, apoiando causas como a defesa dos direitos dos animais

Redação, AFP

20 de agosto de 2020 | 07h43

A cantora Cher se ofereceu como voluntária no serviço de Correios dos Estados Unidos, centro de um conflito político de cara para as eleições presidenciais, mas um gerente local rejeitou a proposta.

A lendária estrela pop estava preocupada diante dos fortes ataques do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contra a instituição e ligou para duas agências próximas de sua casa em Malibu, na Califórnia. Em uma delas, foi conectada a um supervisor.

"Eu falei: 'olá, sou Cher e gostaria de saber se aceitam voluntários", escreveu a artista no Twitter nesta quarta-feira, 19.

Mas o supervisor, aparentemente incrédulo por estar conversando com a artista, que na carreira vendeu mais de 100 milhões de discos, respondeu: "Não, é necessário uma checagem das impressões digitais e dos antecedentes penais", de acordo com a estrela.

Um porta-voz do Serviço Postal dos Estados Unidos (USPS) explicou que a instituição não aceita voluntários.

Mais cedo, Cher havia perguntado: "NINGUÉM VAI ME AJUDAR COM OS CORREIOS?", completando: "FALANDO SÉRIO, POSSO SER VOLUNTÁRIA?".

Os representantes de Cher não responderam imediatamente a pedidos de comentários.

 

O USPS se viu envolvido em uma polêmica política após Trump -que está atrás do candidato democrata Joe Biden nas pesquisas eleitorais- colocar em dúvida a confiabilidade da votação por correio em meio à pandemia da covid-19.

O novo chefe dos correios, Louis DeJoy, um aliado de Trump, tomou as rédeas da instituição em junho e, sob seu comando, foram retiradas caixas de coleta e equipamento de processamento, enquanto horas extras foram eliminadas.

Um líder sindical explicou à AFP que as mudanças provocaram atrasos nas entregas em todo o país.

Mas, na terça-feira, DeJoy suspendeu as mudanças até depois das eleições de novembro.

Além da carreira de sucesso na música, Cher, de 74 anos, é conhecida pelo ativismo, apoiando causas como a defesa dos direitos dos animais.

A cantora já havia chamado Trump de "idiota" que quer "fazer dos Estados Unidos um país heterossexual branco", afirmando que Biden seria um presidente "honesto, inteligente, 'CIVIL'".


 

Tudo o que sabemos sobre:
CherDonald Trumpcorreio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.