Chegou o dia do show de Jamiroquai

Uma informação inútil: Jamiroquai é a união das palavras ´Jam´ - como em ´jam session´, reunião de músicos para improvisações - e ´Iroquois´, iroqueses, tribo indígena dos Estados Unidos. Simpatia essa que também se reflete nos chapéus de ´búfalo´, que se tornaram a marca registrada do esquisitão Jay Kay. Agora, uma (péssima) informação útil: os ingressos estão esgotados. Para aqueles que já têm sua entrada em mãos, vamos a alguns fatos do show: a turnê divulga o álbum Dynamite, lançado ano passado, que teve boa recepção da crítica e do público - ainda que não tenha apresentado nenhuma grande surpresa em relação aos anteriores. Com músicas como Electric Mistress, (Don´t) Give Hate a Chance, Starchild e Fell Just Like It Should - esta última indicada ao Grammy deste ano na categoria melhor clipe -, o som continua basicamente a black music dos anos 70 e 80 (leia-se, disco e funk) refeita por um rapaz meio desengonçado de Manchester (ainda que isso pareça não fazer muita diferença), com letras que falam de Ferraris, de festas, de ficção científica e dos problemas do mundo. Outras músicas que serão apresentadas devem incluir Alright, Space Cowboy e Cosmic Girl, num show de aproximadamente uma hora e meia. A casa abre às 20h30 e, estando lotado o show, é bom chegar antes. O estacionamento, terceirizado, é R$ 15. E uma última informação, em especial para quem quiser matar a sede : um dos patrocinadores é a Nova Schin (cerveja, portanto, só da marca). Jamiroquai. Credicard Hall (7 mil pessoas). Av. das Nações Unidas, 17.955, Sto. Amaro. Quando: hoje (24), 22 horas. Quanto: R$ 90 a R$ 130. Ingressos esgotados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.