Chega ao Brasil polêmico documentário de Michael Jackson

O polêmico documentário em que Michael Jackson admite que gosta de dormir com crianças vai ser exibido no Brasil no dia 2 de março, um domingo, no canal Sony Entertainment (NET/49 ou TVA/36). Living With Michael Jackson foi produzido pelo jornalista Martin Bashir, que passou oito meses com o popstar. Exibido nos Estados Unidos e na Inglaterra, o filme atingiu um público estimado em 40 milhões de pessoas. A parte em que Jackson admite que gosta de dormir com crianças gerou toda a polêmica em torno do documentário. O cantor disse ao entrevistador que achava ?muito doce e encantador? dormir com crianças na mesma cama. Para justificar, ele declarou que ?elas querem ser tocadas, e eu me mataria se não pudesse ficar perto delas?.Dias depois da estréia de Living With Michael Jackson na Grã-Bretanha, o popstar disse que estava se sentindo traído por Martin Bashir. ?Hoje eu me sinto mais traído do que em qualquer ocasião anterior, que alguém que conheceu as minhas crianças, meu staff e a mim, para quem eu abri o meu coração e contei a verdade, poderia sacrificar a confiança que eu depositei nele e produzir este programa terrível e injusto?, disse Jackson sobre Bashir. Além da exposição de mais uma vez ter virado suspeito de pedofilia, o documentário já trouxe a Michael Jackson novos problemas com a justiça. Uma advogada da Califórnia afirmou que vai pedir investigações para saber o que se passa entre o cantor e as crianças que vão ao rancho Neverland (Terra do Nunca), de propriedade do cantor. Não seria o primeiro problema dele com a justiça por este motivo. Em 1993, Jackson foi acusado de molestar Jordan Chandler, à época com 13 anos, que o visitava regularmente. Ao lado de Jackson parecem ter ficado poucas pessoas. Uma delas é sua ex-mulher, a enfermeira Debbie Rowe. Ela, que é mãe de dois dos filhos do cantor, Prince Michael e Paris, foi só elogios ao ex-marido: ?Ele não foi mostrado como realmente é e isto me deixa com muita raiva?, disse. Debbie é citada no documentário, não por Michael, e sim pelos dois filhos que tiveram juntos, que ela não assume. Rumores dão conta de que Debbie Rowe teria recebido US$ 30 milhões para dar à luz os dois bebês e com isso abdicar da maternidade. Mas Michael Jackson não se deu por vencido e contra-atacou Martin Bashir. Está marcada para a quinta-feira desta semana, no canal Fox dos Estados Unidos, a exibição de um vídeo feito pelo staff de Jackson durante a permanência de Bashir em sua companhia. Neste vídeo, segundo a Fox, o jornalista diz, sobre Michael Jackson: ?Sua relação com seus filhos é espetacular. Quase me dá vontade de chorar quando eu vejo você com eles, porque sua interação com as crianças é tão natural, amorosa, carinhosa?. Dos 90 minutos de Living With Michael Jackson, este trecho teve o poder de levantar fortes suspeitas contra o astro, mas também o recolocou na mídia de uma forma mais ostensiva e menos ridícula do que como vinha acontecendo. Ao menos um favor Martin Bashir prestou a Jackson: retirou as atenções de seu nariz medonho, várias vezes recauchutado, e de atitudes bizarras como balançar seu filho do lado de fora da janela de um hotel em Berlim. Enquanto isso, aumenta a sobrevida de sua popularidade. Dias após 15 milhões de ingleses terem visto Jackson confessar suas manias na TV, o disco Thriller teve um aumento de 500% nas vendas. E HIStory, mais recente, teve nada menos do que 1000% de aumento nas vendas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.