Cesaria Evora volta a encantar com "Voz d´Amor"

Assim como a voz enfumaçada e ohábito de andar descalça, a música de Cesaria Evora não mudamuito, disco após disco. Não precisa. Em "Voz d´Amor" (BMG), onovo CD da cantora, vencedor do Grammy deste ano e recém-lançadono Brasil, o misto de gêneros tradicionais do Cabo Verde comsutis associações a ritmos de Cuba, Portugal e Brasil continuaencantador. Quase como uma regra, alternam-se as mornas, deritmo dolente, e as coladeras, mais aceleradas e menos tristes.As referências comuns, que unem sua música àqueles outros paísesbanhados pelo Oceano Atlântico, são o tipo de instrumentação eas sensações de saudade e melancolia. O amor, o mar e o afeto pela terra natal são temasrecorrentes em seus discos, em que não podem faltar composiçõesde seu tio B. Leza. É dele a tocante faixa de abertura do CD,"Isolada", uma morna bem próxima do choro-canção brasileiro.Para aumentar a semelhança, a canção conta com o bandolim docarioca Hamilton de Holanda em atuação impecável, como de restotodos os instrumentistas que participam do disco. Entre eles, oafricano Regis Gizavo, de Madagáscar, tocando acordeon, epercussionistas cubanos. "Só fui conhecer Hamilton depois que odisco estava pronto", conta Cesaria. "Queria ter um bandolimnessa música e ele foi indicado pelo meu produtor. Gostei muitodo resultado." Autores antigos e novos, como Luis Morais, grandeexpoente da moderna música cabo-verdiana, alternam-se com umacanção de cada um. Cesaria repete apenas Teofilo Chantre, queassina três faixas, uma delas sozinho. "É um dos compositoresque mais admiro", diz a cantora. Conterrâneo dela, Chantre éresponsável por alguns de seus grandes sucessos, como Ausência,desde que Cesaria colocou Cabo Verde no mapa do mundo ao lançaro histórico álbum "Miss Perfumado", em 1992. De lá para cá elase aprimora a cada novo trabalho.Invariavelmente acústicos, os arranjos são cada vez maislapidados, o que fazem envergonhar os teclados eletrônicos detimbres cafonas, presentes nos primeiros álbuns. Piano,cavaquinho, violões, saxofone, acordeon, violino, bandolim,clarinete, contrabaixo, percussão compõem uma gama rica dedetalhes que embelezam ainda mais as já sublimes canções.Se o público em geral corresponde de qualquer maneira àemoção com que canta, os brasileiros têm com ela algo mais emcomum. Além do interesse pela música do mundo, Cesaria é notóriaadmiradora da música brasuca e já gravou duetos marcantes comCaetano Veloso e Marisa Monte. Diz que tem vontade de voltar acantar no País, do qual tem boas recordações. "Depende de vocêsme convidarem", brinca. Enquanto não volta, ela manda o recadorecorrendo de novo ao repertório de Ângela Maria, de quem égrande fã, regravando "Beijo Roubado", samba-canção abolerado deAdelino Moreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.