AFP PHOTO/Mark Ralston
AFP PHOTO/Mark Ralston

Cerimônia do Grammy terá homenagem a Michael Jackson

As cantoras Beyoncé e Taylor Swift lideram a lista de indicações

31 de janeiro de 2010 | 04h18

A Academia da Gravação dos Estados Unidos realiza neste domingo a 52ª edição de entrega dos prêmios Grammy, os mais importantes do país no ramo da música. A cantoras Beyoncé e Taylor Swift são as favoritas, com 10 e oito indicações, respectivamente.

A cerimônia acontece a partir das 17h (horário local, 23h de Brasília) no Staples Center, estádio do Los Angeles Lakers, onde serão dados 10 dos 109 prêmios concedidos este ano. Os outros serão distribuídos em um evento prévio que poderá ser acompanhado internacionalmente através do site do Grammy. Haverá também um espaço para recolher fundos para o Haiti.

Um dos momentos mais emocionantes será, segundo o presidente da Academia, Neil Portnow, o tributo a Michael Jackson, morto em 25 de junho do ano passado. Celine Dion, Jennifer Hudson, Somkey Robinson, Carrie Underwood e Usher unirão suas vozes à do "rei do pop" para interpretar "Earth Song" que Michael tinha incluído nos shows que iria fazer em Londres em 2009. O tributo será acompanhado de um vídeo inédito que fazia parte da turnê de Michael e será transmitido em 3D. Além de Beyoncé e Swift, outra nova diva da música, Lady Gaga, que ficou com cinco menções, concorrerá pelos principais prêmios. O trio repete candidatura nas categorias de melhor álbum, melhor canção (letra) e melhor gravação. Na disputa pelo melhor disco também estarão os grupos The Black Eyed Ceas e Dave Matthews Band. The Black Eyed Ceas somou no total seis candidaturas, incluindo a de melhor gravação, mesma quantidade que o cantor de Rhythm & Blues Maxwell e o rapper Kanye West.

A festa contará com as atuações de Beyoncé, Swift, Lady Gaga,Black Eyed Ceas, Elton John, Green Day e Eminen, e terá como apresentadores Plácido Domingo, Juanes, Jennifer López, Quentin Tarantino, Miley Cyrus, The Jonas Brothers, Ricky Martin, Carlos Santana e Rin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.