CD e DVD documentam shows do Rush no Brasil

A banda canadense Rush, uma das maiores do mundo, nunca tinha vindo ao Brasil. Formada em 1968, lançou seu primeiro single em 1973. Somente 30 anos depois disso em novembro do ano passado, desembarcou finalmente em terras brasilis. E a primeira impressão foi devastadora. "Havia dezenas de fãs esperando pela gente no aeroporto. Ruidosos, alegres, acolhedores. Eu não esperava por nada disso, não tenho nada a ver com Justin Timberlake. Todo nosso apelo está na música", disse o vocalista e baixista Geddy Lee, falando à reportagem por telefone, do Canadá. "Nós somos uma bandaestranha. Às vezes, entramos e saímos de um país como fantasmas.As pessoas vão aos shows, mas não nos tratam como mitos ouestrelas. Têm respeito pelo que fazemos, mas no Brasil tudo foidiferente."Por conta dessa recepção, e das milhares de pessoas queencheram os estádios do Morumbi, em São Paulo, e o Maracanã, no Rio, para ver o Rush na turnê Vapor Trails, a banda resolveu retribuir. E estálançando um DVD duplo, Rush in Rio (Sum Records, preçosugerido R$ 61,00) e um CD triplo com o mesmo nome (Warner, R$75, em média), preciosos documentos sobre tudo que aconteceunaquele primeiro contato. "Para mim, não havia nenhuma razão real para fazer um disco ao vivo. O que nós queríamos era fazer um registro visualdaquele momento, que foi tão especial para nós. Foi algo tãoparticular, tão especial, que resolvemos deixar o DVD como umdocumento histórico", afirmou Lee.Boas-praças, francamente abertos e bem mais articuladosdo que a média dos astros de rock, os canadenses do Rush nãofizeram doce com os fãs brasileiros. Até mandaram ver numaGarota de Ipanema, risco que Geddy Lee correu sem culpa. "Éuma canção verdadeira sobre o Rio, que diz respeito ao Rio.Resolvei cantá-la porque traduzia um momento verdadeiro", eledisse. "Gostei muito das duas cidades, São Paulo e Rio. SãoPaulo tem um charme, tem grandes coisas para se ver e conhecer.O Rio é uma cidade emoldurada pela beleza."O grupo, formado por Geddy, mais Alex Lifeson(guitarras) e Neil Peart (bateria), oferece 29 músicas noprimeiro disco do DVD, entre elas os grandes clássicos: TomSawyer, Natural Science, Closer to the Heart, DistantEarly Warning, New World Man, entre outros. As mesmas cançõesestão no CD triplo, além de duas bootlegs ("piratas"): BetweenSun & Moon e Vital Signs. Além das entrevistas com todo o grupo, no documentário, o material traz um pôster com o símbolo da turnê: um dragão gigante de cartoon, emergindo de uma cortina de fogo, com abanda à frente, na penumbra. Na mão do dragão, um drinquetropical. Na cabeça do monstrengo, abacaxi, laranja, limão,banana, num improvisado chapéu de Carmem Miranda. O espetáculo do Rush teve três horas de duração, com um intervalo de 20 minutos. Ao final, com a consciência do dever cumprido, em algum hotel do Rio, Neil Peart conta que o grupo comemorou à moda da casa: com uma rodada infinita de caipirinhas. O DVD mostra que o Rush mereceu toda a deferência dos tropicalistaslocais.

Agencia Estado,

03 de dezembro de 2003 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.