CD celebra o prazer de cantar

Parafraseando Gilberto Gil, aporção Mautner de Caetano Veloso, que até então se resguardara,é sua melhor porção. Eu não Peço Desculpa (Universal Music),o disco conjunto de Caetano e Mautner, é uma belezura de disco.Fresco, sem ser demasiado frívolo; bem-humorado, sem ser umbesteirol escrachado; alegre, sem ser alienado. É bem melhor que Noites do Norte, por exemplo, odisco mais recente de Caetano. O motivo é simples: Mautner.Livre da pretensão de elaborar uma lírica impactante oumanifestos de antevisão cultural e estimulado pela presençadionisíaca de Mautner, Caetano se diverte e reparte de fato oque tem de melhor: a engenhosidade e o prazer de cantar. Caetano é um moralista. Mautner é piloto de discovoador. O primeiro foi influenciado pelo segundo - queriaaprender também a fazer cantigas de chuva, como escreveu em1972. Caetano canta um samba que resume esse espíritomautneriano, que é Feitiço (Nosso samba tem feitiço/ Temfarofa/ Tem vela e tem vintém/ E tem também guitarra derock´n´roll, batuque de candomblé). Há um dado de modernidade industrial no som, dos sambasaos rocks. Esse lado vem da produção do baixista e programadorKassin, antenado parceiro de Moreno Veloso. Guitarra e baixoduelam ao fundo de Manjar dos Reis. Hammonds aqui e ali,congas e efeitos. Gilberto Gil toca violão no libelo antidrogas CoisaAssassina (também composição sua). Paulão 7 Cordas e umaacademia de sambistas tocam em Homem-Bomba. Em UrgeDracon, uma seção de metais, coro e percussão transformam amúsica em pura farra de salão. "Gosto de ficar na praia deitado/ Com a cabeça notravesseiro de areia/ Olhando coxas gostosas por todo lado",canta a dupla, na bossa haitiana Tarado. Eles gravaramvárias cançonetas deliciosamente irresponsáveis, como ONamorado e Voa, Voa, Perereca. E as incidentais lisérgicasDoidão e Urge Dracon (Salve o nosso guia/ Pro que der evier/ Salve o nosso guia/ Jorge Mautner). E também os mais belos clássicos de Mautner, comoLágrimas Negras (Belezas são coisas acesas por dentro,tristezas são belezas apagadas pelo sofrimento) e MaracatuAtômico. E, de lambuja, o maravilhoso Hino do CarnavalBrasileiro, de Lamartine Babo (São, são, são, são quinhentasmil morenas/ Louras, cor de laranja cem mil/ Salve, salve, meucarnaval, Brasil).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.