CD ao vivo traz mergulho espiritual de Lauryn Hill

Quem não acompanhou as notícias sobre operíodo de reclusão de Lauryn Hill nos últimos tempos vai ter umchoque ao ouvir o novo disco da cantora, o duplo ao vivoUnplugged 2.0, gravado no ano passado durante umAcústico da MTV americana. A ex-vocalista do Fugees,consagrada em 1998 com o álbum The Miseducation of LaurynHill, ficou traumatizada com o sucesso e dediciu mudarcompletamente sua vida. O trabalho, que chegou esta semana aomercado internacional, reflete de maneira crua a mudança e é umapílula difícil de engolir. Hill é uma das mais talentosas artistas que apareceramno pop nos últimos tempos. Além da voz, do carisma e do estilo,ela provou ser uma excelente compositora e produtora, criandouma sonoridade que virou padrão para o fim dos anos 90. Quemesteve perto do círculo íntimo da cantora, no entanto, logocomeçou a perceber que ela não se sentia confortável com a dosede exposição que passou a receber. Ela constantemente reclamavada pressão e da responsabilidade de fazer turnês cominfra-estrutura gigantesca _ e se sentia mal com os altos custosda produção (o transporte de uma cidade para outra, no caso deHill, chegava a US$ 100 mil). Casada com um dos filhos de Bob Marley, Rohan, Hillcomeçou a passar longas temporadas na Jamaica, onde teve contatomais próximo com a pobreza e os problemas do Terceiro Mundo. Aomesmo tempo, entrou em uma viagem espiritual com um guru que écreditado por salvá-la da insanidade. Nos últimos anos, ela foivista com freqüência cantando e tocando violão em bares depequenas praias do país, rodeada de crianças pobres. Há relatosde que ela passou a ser acompanhada sempre por jovens sem casa epagava a hospedagem deles em hotéis. Hill teria cansado da movimentação do showbiz eprincipalmente da preocupação com a imagem - e teria juradonunca mais trabalhar com produtores de moda e maquiadores (o quefoi confirmado na gravação do Acústico, em que ela seapresentou de jeans e sem aparar as sobrancelhas). Uma mudançaradical para quem já foi considerada um ícone fashioninternacional há apenas quatro anos. No lado musical, a cantora chegou a começar a gravar umdisco na Jamaica, mas não levou o trabalho adiante por problemascom a "vibração" do estúdio. Quando concordou em gravar oespecial para a MTV, iria mostrar as versões iniciais dasmúsicas do novo disco. Ela teria causado surpresa ao dizer queiria se apresentar sozinha, acompanhada apenas do violão. O especial, apresentado há vários meses na MTV2, osegundo canal da emissora, tinha duas horas de duração e eraimpossível de ser assistido do começo ao fim. Carregado deemoção (a imagem de Hill à beira de um ataque de choro é um dosmomentos mais intensos do pop nos últimos tempos), o programatinha doses gigantescas de informação. Músicas faladas, commelodias que pareciam inseguras e refrões repetidos ao infinito,se estendiam por muitos minutos. A versão mostrada na semanapassada pelo canal principal da rede nos Estados Unidos,reduzida para uma hora, ficou mais digerível. Mas ouvir, em CD, o registro de um momento tão delicadoda vida da artista provoca sensações misturadas. Por um lado,nas letras, há momentos de pura beleza, emmúsicas como Mystery of Iniquity e I Remember. Mas emfaixas como I Gotta Find Peace of Mind, a angústia dacantora acaba provocando o mesmo sentimento no ouvinte. Avontade é de que o disco também tivesse uma versão editada _ oude que algumas das canções fossem trabalhadas, com mais recursos, em estúdio. É difícil entender se o lançamento de Unplugged2.0 aconteceu por vontade da cantora em disseminar suamensagem de paz e desprendimento ou por exigências contratuaise uma tentativa de capitalizar o um dos maiores sucessos artísticos do fim dos anos 90. Quem resolver compraro disco tem de se preparar para encontrar uma nova Lauryn Hill,que remete pouco à cantora de The Miseducation. E quemestiver disposto a ouvir o evangelho da artista tem de se elevara um estado bem específico de tranqüilidade e paciência. Aesperança é que, depois de colocar suas angústias para fora,Hill consiga fazer as pazes com o mundo pop no novo trabalho deestúdio, que está sendo gravado atualmente em Miami. Afinal,talento é o que não lhe falta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.