CCBB inaugura projeto 3 Trios 1000 Sons

O Azymuth, do antigo sucesso, Linha do Horizonte, continua em boa forma e produzindo no exterior. A oportunidade de checar a continuidade de seu trabalho está no show que o grupo apresenta só hoje em dois horários, abrindo o projeto 3 Trios 1000 Sons, no CCBB. Eles terão como convidados o cantor Hyldon e o percussionista Ramiro Musotto. Na próxima terça-feira, o Trio Mocotó recebe João Donato e o produtor Apollo 9. No dia 29, o Zimbo Trio divide o palco com Max de Castro e o duo Drumagick. A idéia do projeto de Alex Antunes é colocar os três trios que fizeram história na música brasileira nos anos 60 e 70 com novos expoentes de diversos estilos. Há sutis ligações entre alguns deles e as trajetórias dos três trios se entrelaçam. "São grupos que deixaram marcas de seu estilo no período da pós-bossa nova até a tropicália", diz o curador. O Zimbo se projetou com Elis Regina e Jair Rodrigues no programa Fino da Bossa, a partir de 1964. Projeto é o novo ´capítulo´ de Contradição O Mocotó está nas bases do samba-rock ao lado de Jorge Ben em 1969. Depois o Azymuth, que gravou com uma infinidade de gente na virada dos anos 60 para os 70: Raul Seixas, Marcos Valle, Wilson Simonal, Tim Maia, Maria Bethânia, entre outros. Ou seja, todos acompanharam nomes muito importantes da MPB. O projeto é uma espécie de continuação de outro realizado por Antunes, o Contradição. "Desta vez quis valorizar o músico, já que no outro constatei que todo o povo da antiga que tinha tocado com a moçada moderna era cantor", lembra o curador. "Antigamente havia muitos músicos tocando juntos. Com o rock, o número diminuiu para uma banda. Agora, com a eletrônica, então, um cara só faz tudo", exemplifica.3 Trios 1000 Sons - Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, Centro, 113-3651. Às 3.ª, 13h e 19h30. R$ 6. Até 29/3

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.