Cauby Peixoto e Selma Reis dividem o palco no Rio

Grande idéia essa de juntar Selma Reis e Cauby Peixoto no show Vozes, que estréia hoje no Teatro Rival, para ficar duas semanas. Apesar de pertencerem a gerações diferentes, ambos têm afinidades que vão além da afinação, extensão e dramaticidade ao cantar. São da mesma turma musical, como reconhecem. "Cauby foi minha escola de canto, com Ângela Maria e Dalva de Oliveira", diz Selma. "Com eles aprendi a usar a voz, a ter um bom fraseado. Este show é um agradecimento e uma chance de aprender mais, de perto."Entusiasmado, Cauby devolve o elogio: "É um prazer grande saber que ainda temos cantoras com a qualidade da Selma Reis", sentencia. "Hoje estamos carentes de cantores assim e ela tem bom gosto para escolher repertório e interpretá-lo. A Selma entra na minha praia, tem feeling e estilo semelhantes aos meus. Por isso, o show está tão quente."O diretor do espetáculo, Túlio Feliciano, que trabalha com estrelas como Beth Carvalho, Leila Pinheiro e Zeca Pagodinho, lembra que as afinidades vão além. "Eles são de Niterói e têm repertório baseado na melodia. Foi interessante juntá-los, porque quando um homem e uma mulher fazem dueto, um deles sai de seu tom, muda a tessitura da voz. Neste caso, ficou muito interessante", comenta. O show será gravado para possível lançamento em CD e DVD. Túlio Feliciano, que estreou como diretor no espetáculo Cauby Cauby, de 1980, em que ele cantava, pela primeira vez, Bastidores, feita por Chico Buarque para sua voz, resume o que será o espetáculo. "São duas grandes vozes, em canções superlativas para um público que quer se emocionar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.