Jimmy King
Jimmy King

Catálogo de David Bowie é vendido para a Warner

A gravadora não informou valores, mas segundo a 'Variety' o negócio ultrapassou os US$ 250 milhões

Redação, AFP

04 de janeiro de 2022 | 07h47

Os direitos de todas as obras musicais de David Bowie foram vendidos para a Warner Chappell Music, informou a própria gravadora nesta segunda-feira, 3, em meio a uma onda de vendas lucrativas de catálogos de estrelas do rock

A Warner Chappell não divulgou os termos financeiros do acordo, mas a publicação especializada Variety assegura que ultrapassou US$ 250 milhões. 

São direitos sobre centenas de canções que abrangem a carreira de seis décadas de Bowie, incluindo Space Oddity, Changes, Life on Mars? e Heroes, que "mudaram a trajetória da música moderna para sempre", disse Guy Moot, diretor da empresa em um comunicado. 

"Estamos imensamente orgulhosos de termos sido escolhidos como guardiões da herança de David Bowie, um catálogo com o que há de mais revolucionário, influente e duradouro na história da música", enfatizou.

O anúncio foi feito poucos dias antes do 75º aniversário de David Bowie, em 8 de janeiro, e quase seis anos após sua morte, em 10 de janeiro de 2016, após uma longa batalha contra o câncer. 

A venda ocorre em meio a uma onda de negócios semelhantes de estrelas do rock: em dezembro, Bruce Springsteen anunciou a venda de seu catálogo de músicas para a Sony por cerca de US$ 500 milhões e, em outubro, Tina Turner, de 81 anos, vendeu seus direitos musicais para o grupo alemão BMG

No ano passado, Bob Dylan, de 80 anos, vendeu seu catálogo para a Universal Music por cerca de US$ 300 milhões. 

Já Stevie Nicks, do Fleetwood Mac, fez o mesmo com a maior parte do catálogo da banda. Outros que venderam os direitos de suas composições foram Paul Simon e Neil Young.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.