Carter e Murray brilham na estréia

Com um tema do pianista Kenny Barron, a violinista Regina Carter e seu quinteto abriram ontem a primeira edição do Chivas Jazz Festival.Como prometido, a violinista eleita a melhor do ano passado pela revista Down Beat apresentou ao público paulistano "uma mistura de músicas de diversas partes do mundo", com particular atenção aos ritmos afro-latinos.A opção mostrou-se bastante clara já na execução do latin jazz Mojito, do trombonista Steve Turre, que integra o álbum de 1999 de Regina Rhythms of the Heart, lançado pela Verve. A violinista, que começou cedo o estudo do instrumento, aos 4 anos de idade, aproveitou também para homenagear o Rei da Salsa Tito Puente, morto nesta quarta-feira após uma cirurgia no coração em Nova York, e lhe dedicou Don´t Explain, de Billie Holiday, em belo dueto com o pianista alemão Werner "Vana" Gierig.Encerrando sua bastante aplaudida apresentação, Regina apresentou sua versão da brasileiríssima Tico-Tico no Fubá, de Zequinha de Abreu, com destaque para apaixonada performance da percussionista cubana Mayra Casales.Jazz de verdadeO saxofonista David Murray comandou a segunda parte do show, liderando seu Power Quartet. O conjunto é formado pelo pianista Dave Burrell, o contrabaixista Ray Drummond e o baterista Andrwe Cyrille, todos eles veteranos inspiradores da adolescência do "novato" Murray, 45 anos de idade, mais de 50 álbuns gravados.Conforme destacou o organizador do evento, Toy Lima, o Chivas Jazz concretiza-se de fato como "um festival de jazz para quem sabe o que é jazz de verdade". Não surpreende, assim, que os números de improviso e os longos solos dos instrumentistas tenham cansado parcela do público acostumada à badalação de outros festivais internacionais de música, esvaziando o final desta noite de estréia.Hoje, o festival segue com uma de suas principais atrações, a pianista Geri Allen, e o clarinetista Don Byron. Amanhã, encerram este Chivas Jazz, que já tem sua próxima edição em 2001 confirmada, o guitarrista Charlie Hunter, o pianista Mal Waldron, ao lado do sax soprano de Steve Lacy e, um dos mais aguardados, o vibrafonista Stefon Harris, acompanhado por seu quarteto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.