Carlos Lyra ganha o prêmio Shell de música

A Shell anunciou no início da tarde de hoje que Carlos Lyra é o ganhador do Prêmio Shell de Música 2005. O cantor e compositor foi escolhido por um júri formado pela musicista Liliane Secco, pelos músicos Wagner Tiso e Dado Villa-Lobos e pelos jornalistas Hugo Sukman e Beatriz Coelho.O Prêmio Shell de Música, que completa 25 anos, homenageia a cada ano um compositor vivo, que, pelo conjunto de sua obra, tenha contribuído para a história da música popular brasileira.Desde a sua criação, o prêmio já homenageou Chico Buarque, Tom Jobim, Paulinho da Viola, Baden Powell, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Rita Lee e, no ano passado, a parceria Aldir Blanc e João Bosco. A relação de todos os premiados, ano a ano, pode ser consultada abaixo.Carlos Lyra é um dos precursores do movimento bossa nova, ao lado de Roberto Menescal, Ronaldo Bôscoli, Edu Lobo e Nara Leão, seus colegas de juventude. Cantava e tocava violão em festinhas e na casa de amigos, até que, por volta de 1954, começou a participar de festivais e concursos, com composições próprias, e em 1955 Silvia Teles gravouMenina num compacto pela Odeon. Sua carreira deslanchou mesmo em 1959, quando João Gilberto gravou o disco Chega deSaudade, que incluía três de suas composições: Maria Ninguém, Lobo Bobo e Saudade Fez um Samba, as duas últimasem parceria com Bôscoli. No mesmo ano gravou seu primeiro disco-solo pela Philips.Nos anos 60 gravou outros discos, musicou filmes e peças, incluindo o musical Pobre Menina Rica, com Vinícius de Moraes,que mais tarde virou disco, lançando sucessos como Minha Namorada e Primavera. Em 1962 participou do Festival de BossaNova do Carnegie Hall, em Nova York. Ironizou a descendência estrangeira da bossa nova em Influência do Jazz. Através do Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes (UNE) promoveu uma aproximação da bossa nova com ossambistas de morro, incluindo uma parceria com Zé Kéti, o Samba da Legalidade. Passou uma temporada no México na segunda metade dos anos 60, onde compôs para filmes, peças e comerciais. Voltou ao Brasil em 1971 lançando um LP com participação de Chico Buarque. Três anos depois partiu para nova temporada no exterior, dessa vez em Los Angeles, onde foi estudar astrologia, tendo lançado no Brasil um livro a respeito. Dedicou-se mais a peças e filmes nas década de 80 e 90, além de shows na Europa e Japão com outros nomes da bossa nova.Prêmio Shell Música: 1981 Homenagem a Pixinguinha 1982 Tom Jobim 1983 Dorival Caymmi 1984 Luiz Gonzaga 1985 Braguinha 1986 Milton Nascimento 1987 Herivelto Martins 1988 Chico Buarque 1989 Caetano Veloso 1990 Gilberto Gil 1991 Martinho da Vila 1992 Paulinho da Viola 1993 Jorge Benjor 1994 Edu Lobo 1995 Baden Powell 1996 Rita Lee 1997 Roberto e Erasmo Carlos 1998 Zé Ketti 1999 Johnny Alf 2000 João Donato 2001 Elton Medeiros 2002 Ivone Lara 2003 Paulo César Pinheiro 2004 Aldir Blanc e João Bosco 2005 Carlos Lyra

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.