Román Ríos/Efe
Román Ríos/Efe

Carlinhos Brown fala sobre adversidades e novo álbum em turnê pela Europa

Cantor lança 'Mixturada Brasileira', álbum que chega às lojas nesta terça-feira, 24

Efe,

24 de julho de 2012 | 15h10

Em tempos difíceis, o "self made man" (termo usado para as pessoas que conseguem subir na vida com seu próprio esforço) Carlinhos Brown aparece como um guru das crises. Sua receita diante das adversidades, como ele mesmo defende, "passa por aprender, compartilhar e abraçar a alegria, sem perder de vista os problemas e nem repudiar a tristeza. "O que não quero é dor", diz o cantor.

Quem acompanha este percussionista, compositor e cantor se apresentando ao vivo não consegue imaginar sua insipidez. Segundo Brown, a alegria e a tristeza são duas emoções vinculadas como as ondas do mar e, depois de se deixar levar pelo intimismo de Diminuto (2010), agora se apresenta bravio, elétrico e efusivo em Mixturada Brasileira, álbum que chega às lojas nesta terça-feira, 24.

O título procede do termo "misturada", apropriado para definir um disco que reúne sete composições inéditas e algumas canções do passado, como Magalenha, Selva Branca e Página Futuro, da fase Tribalistas, redefinidas em novas versões.

O "x" de Mixturada simboliza o cruzamento das culturas que marca a música brasileira e, neste caso, o encontro inevitável e crescente entre percussão e música eletrônica, que, segundo Brown, também se nutre "dos tambores primitivos".

O autor de Maria Caipirinha, que se gaba de ter criado a "tecnobatucada" nos anos 90, opina que sua linguagem chegou a um ponto de maturidade neste projeto, que, por sua vez, conta com produção do DJ DeepLick e colaborações de Ivete Sangalo e Tego Calderón, entre outros.

"Poderia dizer que, agora que não se vende mais discos, não faço mais música. Mas não, este é o momento que mais tenho o que fazer", afirma o cantor baiano. Vindo de sua filosofia vital e musical, o ritmo completa um cometido telúrico fundamental, assim como "uma vassoura que limpa os sentimentos".

"São um ativo da natureza, como as árvores, motores que fazem com que a roda da Terra gire. O cosmos escuta quando soa a batucada", acrescenta o musico.

Brown defende um que a música e a alegria são frutos da coletividade, como pode demonstrar no último sábado, na cidade de Cádiz, onde reuniu 300 mil pessoas em torno de um trio elétrico. Na ocasião, a apresentação celebrava os 200 anos da Constituição de Cádiz.

Sobre este show, Brown destaca que foi "uma manifestação da alegria", mesmo cantando que "não lutamos para ser ricos, mas para não ser miseráveis". Em sua opinião, a música é um anestésico frente à crise ("dança, que é bom porque iguala", reza a máxima), mas também tem uma mensagem a transmitir: "O mundo está mudando e, ou nos cuidamos, ou acabamos como os dinossauros".

"Se não enxergarmos os problemas, estaremos doentes", assegura o artista que veio de uma das comunidades mais pobres de sua cidade e se transformou em uma personalidade reconhecida mundialmente, com dezenas de projetos sociais em andamento.

Como especialista em crise ("sou brasileiro de ascendência africana"), Brown assinala que o segredo para escapar da miséria é "compartilhar palavras, encontro e carinho". Além disso, um "consumo responsável" dos recursos naturais e um "compromisso moral íntimo" também ajudam a viver nesta sociedade. Segundo o cantor baiano, "um amor pela vida que te convida a conhecer mais também é fundamental".

"Eu não tive escola. Fui três meses e depois estive mais cinco vezes com uma professora, mas nunca renunciei à oportunidade de aprender e estudar todos os dias, já que a vida me encanta", completa o artista, que no sábado fechará o festival La Mar de Músicas de Cartagena, também na Espanha.

 
Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.