Carcoarco lança álbum de estréia

Idealizado pelo pesquisador e compositor José Eduardo Gramani (que morreu em 1998) e aplaudido por Antônio Nóbrega, o grupo Carcoarco lança seu primeiro CD hoje, às 18h30, no Sesc Paulista (Avenida Paulista, 119, telefone 3179-3400). O nome do disco é Tu Toca o Quê?, e sai com dupla chancela do selo de Campinas Coreto Musical e do especializado em world music MCD, com apoio do Sesc e da Iluminações.Gramani foi - e o Carcoarco dá continuidade ao trabalho - o mais importante pesquisador da linguagem musical do interior do Sul e Sudeste, notadamente de São Paulo e do Paraná. Partindo da rabeca brasileira, instrumento descendente do violino europeu, Gramani pretendeu criar uma linguagem culta para a música e a instrumentação típicas daqueles interiores.Essa proposta é semelhante à que levou Ariano Suassuna a criar o movimento armorial, trabalhando sobre a música do Nordeste. Daí o entusiasmo do pernambucano Anônio Nóbrega, músico de formação erudita que migrou para a cultura popular quando, nos anos 60, foi convidado por Suassuna a integrar o Quinteto Armorial.O Carcoarco é formado por Esdras Rodrigues (violino e rabecas brasileiras), Luiz Fiaminghi (rabecas brasileiras) e Magrão Perez (percussões, das tradicionais, como pandeiro, conga e zabumba, a vasos e marimbas de cerâmicas, criados para ele pela artista plástica Rosa Morena). "No cenário da música brasileira, violino e rabeca sempre trilharam caminhos diferentes", escreve Antônio Nóbrega no texto de apresentação do CD.Distingue: o violinista, de paletó - às vezes de fraque - e gravata, toca com orquestras; o rabequeiro é aquele de camisa aberta e calça surrada. O primeiro é "erudito". O segundo é "folclórico". Um dia, pretende Nóbrega, hão de ser um só.O repertório do disco traz composições de Gramani e arranjos dele e do trio para obras de Ernesto Nazaré, Pixinguinha, Waldir Azevedo - um olhar sobre o ponto de confluência do Brasil urbano com o rural. O grupo repete, na quarta-feira, no Sesc Campinas, o show de lançamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.