Divulgação
Divulgação

Cantoras relembram a obra de Taiguara em CD e DVD ao vivo

Fafá de Belém e Claudette Soares são algumas das intérpretes

Renato Vieira, O Estado de S. Paulo

24 de maio de 2014 | 16h00

Nove cantoras de gerações distintas se juntaram em 1º de julho de 2011 para realizar o show de lançamento do CD A Voz da Mulher Na Obra de Taiguara, lançado naquele ano. O registro da apresentação será lançado em CD e DVD em julho pelo selo Nova Estação, distribuído pela Gravadora Eldorado, empresa do Grupo Estado.

O CD de estúdio, hoje esgotado, foi idealizado pelo produtor Thiago Marques Luiz, proprietário da Nova Estação, e pelo DJ Zé Pedro, que lançou o álbum pela Joia Moderna. Hoje esgotado, o disco teve uma procura significativa.

“Em um mês, a tiragem de mil cópias se esgotou. Até hoje, recebo mensagens de pessoas que procuram o disco. Curiosamente, eu havia apresentado o projeto a várias gravadoras e ninguém se interessava, muitos achavam Taiguara um compositor difícil de ser entendido”, afirma Marques. O lançamento do registro ao vivo, segundo ele, pode suprir a demanda, ainda que algumas cantoras do projeto de estúdio não tenham comparecido ao show por outros compromissos.

Marques escolheu intérpretes cujas carreiras floresceram nos anos 2000, como Fernanda Porto e Verônica Ferriani. Mas outras tiveram ligação íntima com Taiguara, como Claudette Soares, que registrou, nos anos 1970, os sucessos Coisas e Hoje e Cláudia, que em 1972 gravou Memória Livre de Leila, em homenagem a Leila Diniz, que havia morrido naquele ano.

“São as principais intérpretes de um compositor que, lamentavelmente, nunca foi considerado do primeiro time, apesar de ter todas as condições para isso, porque era, ao mesmo tempo em que era popular, era rebuscado”, ressalta Marques, que também convocou Aretha – a filha de Vanusa e Antônio Marcos é afilhada de Taiguara –, Silvia Maria, Cida Moreira, Vânia Bastos e Fafá de Belém.

Marques conta que as cantoras tinham o repertório de Taiguara na memória afetiva. Helena, Helena, Helena, lembra o produtor, é uma música que Fafá aprendeu em casa, quando a cantora já dava os primeiros passos em sua carreira. “Taiguara surgiu junto com Chico Buarque e Caetano Veloso, mas, de todos os compositores que surgiram na era dos festivais, ele foi o único que chegou à roça, tocando em rádio AM. Os outros faziam sucesso apenas nos centros urbanos”, analisa o produtor.

O registro do show estava programado para sair pela Lua Music, mas a gravadora desistiu. Chega em uma boa hora, quando outros projetos envolvendo Taiguara estão em fase de preparação. “Acho que é uma oportunidade de revisitar uma obra que pode ter sido ouvida, mas nunca foi compreendida pelo grande público. Ele fez canções políticas, mas conseguiu ir além do panfleto. Taiguara poderia ter continuado a fazer músicas comerciais e viver delas. Mas preferiu seguir com o que era sua verdade”, diz Marques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.