Cantoras invadem os palcos dos Sescs

Há algo em comum nos universos de Ana Carolina, Luciana Mello e Mônica Salmaso? "Absolutamente nada", responderia quem conhece um pouco do que cantam as jovens que saíram com êxito de uma recente fornada de intérpretes brasileiras. Engano. As três, que se apresentam este fim de semana em diferentes unidades do Sesc, vivem épocas de colheita. Cada qual a seu estilo, e para platéias distintas, atendem às expectativas dos que as consideravam apenas promessas até bem pouco tempo atrás. Mônica Salmaso cantou nos Estados Unidos pela primeira vez há três meses e recebeu as seguintes considerações de Jon Pareles, crítico do The New York Times: "Mônica tem uma bela voz, essencialmente brasileira, brilhante...". Enquanto negocia com o selo Biscoito Fino o lançamento de seu novo disco e se prepara para voltar a cantar nos Estados Unidos, lidera um projeto no Sesc Ipiranga, sábado e domingo, intitulado Ponto In Comum. Luciana Mello começou de mansinho na Trama, com o irmão Jairzinho e os amigos Max de Castro e Simoninha, e já se tornou uma das grandes apostas da Universal, que comprou seu passe por um valor não divulgado no início do ano. Seu primeiro disco, Assim que se Faz, vendeu 100 mil cópias. Seu novo, com previsão para faturar mais do que o dobro, está para ser lançado. O show que apresenta sábado, no Sesc Santo Amaro, terá músicas dos dois trabalhos. E Ana Carolina ganha vida cada vez mais própria. Aos poucos, sai da sombra de Cássia Eller, com quem foi exaustivamente comparada desde que lançou seu primeiro disco. Ana Rita Joana Iracema Carolina, seu recente álbum, foi o maior passo. Seu repertório será mostrado domingo, no Sesc Itaquera.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.