Cantoras celebram em SP "orgulho de ser mulher"

Deus é mesmo mulher, brincou Rita Lee na tarde de ontem no Parque do Ibirapuera, onde ela, Paula Lima e Zélia Duncan prestaram uma homenagem antecipada ao Dia Internacional da Mulher, que é comemorado nesta segunda-feira. O tempo, de fato, deu uma força, o sol mostrou a cara e cerca de 20 mil pessoas compareceram à Praça da Paz para o show, que incluiu sucessos como Amor e Sexo, Catedral, Pagu e Todas as Mulheres do Mundo.Da escolha do repertório aos discursos das artistas, o tom da festa foi de celebração às mulheres. Paula Lima, a primeira a pisar no palco, e Zélia Duncan, em seguida, manifestaram o "orgulho de ser mulher" e pediram direitos iguais no dia a dia. Mas foi mesmo Rita Lee quem incendiou a platéia. "Mulheres de Sampa, nós somos as maiores", disse. "Mulheres no poder!", completou, emendando com o refrão de Pagu. "Nem toda feiticeira é corcunda, nem toda brasileira é só bunda... Eu sou mais macho que muito homem."Paula Lima, Zélia Duncan e Rita Lee apresentaram-se sozinhas e, no final, uniram-se para cantar Todas as Mulheres do Mundo. Foram acompanhadas pela Orquestra Filarmônica de Mulheres, que participa há seis anos do projeto Avon Women in Concert. Nos últimos anos, o foco era mais erudito, com a apresentação de estrelas como a soprano Kiri Te Kanawa. Este ano, a idéia foi unir o som de uma orquestra à música popular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.