Cantor Yusuf Islam, ex-Cat Stevens, toca nos EUA após 33 anos

Britânico convertido ao Islã deixa para trás seus problemas com a imigração e faz show para 400 pessoas

REUTERS

12 de maio de 2009 | 10h32

Deixando para trás seus problemas com as autoridades da imigração norte-americana, o cantor britânico de folk Yusuf Islam apresentou-se na segunda-feira em seu primeiro concerto nos Estados Unidos em 33 anos, cantando para 400 fãs os clássicos de quando era conhecido como Cat Stevens.

O músico, de 60 anos, divertiu a plateia de convidados com um repertório de uma hora, que incluiu hits como "Peace Train", "Wild World" e "Where Do the Children Play?", assim como uma seleção de músicas de seu novo álbum, "Roadsinger".

Parecendo um professor universitário com sua barba toda branca, camisa xadrez e óculos, o cantor alegrou sua performance com brincadeiras divertidas.

"Aposto que pensavam que nunca conseguiríamos", disse o cantor no início do show, explicando mais tarde que estava se referindo a sua deportação dos Estados Unidos em 2004, após seu nome aparecer em uma lista de pessoas sob observação para serem expulsas por suspeita de terrorismo.

Islam, que se tornou muçulmano em 1997 e abandonou sua vida de pop star, enfrentou as autoridades que alegavam que ele apoiava, através de donativos, grupos terroristas.

O cantor negou as acusações e frequentemente discursa contra o terrorismo. Desde então, ele voltou aos Estados Unidos em diversas ocasiões.

Mas ele encontrou dificuldades em sua visita recente. Um problema não específico com o seu visto obrigou-o a cancelar um show planejado no dia 3 de maio em Nova York, deixando apenas Los Angeles em sua agenda nos Estados Unidos.

Islam tocou pela última vez nos Estados Unidos no início de 1976, na época em que ele ficou desencantado com sua carreira musical e com o declínio das vendas de seus discos. Após um show em Londres, em 1979, ele decidiu concentrar-se apenas em sua família e sua fé.

(Reportagem de Dean Goodman)

Tudo o que sabemos sobre:
MUSICACATSTEVENSSHOW*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.