Cantor canadense invade a soul music americana

Remy Shand poderia ser apenas mais um cantor tentando a sorte no já congestionado ramo da soul music americana. Nos últimos anos, nomes como Erykah Badu, Maxwell e Jill Scott invadiram as paradas americanas com o que a critica rotulou de neo-soul, traduzindo para o vocabulário musical, a mistura entre o R & B e a soul music. Mas Shand tem algumas particularidades que o diferencia de todos os membros deste ?novo? movimento musical. O rapaz tem apenas 23 anos, nasceu em Winnipeg, no Canadá, produziu, escreveu e tocou todos os instrumentos de seu disco de estréia, lançado pela mais tradicional gravadora de música negra dos Estados Unidos, a Motown, e é branco.Lançado em março deste ano, The Way I Feel mostra do que o jovem canadense é capaz. O primeiro single, Take a Message, traz a voz falsete do cantor em uma levada com muito swing e personalidade. Quem escutá-la no rádio, provavelmente, vai achar que Maxwell ou D?angelo estão cantando. O mesmo acontece nas baladas The Mind?s Eye e Burning Bridge. Mitos da soul music como Marvin Gaye e Curtis Mayfield fizeram parte da formação musical do cantor, que já foi elogiado pelo cantor inglês Elton John.Outros destaques do disco são a faixa-título, que lembra o cantor Prince no início dos anos 80, Liberate, com destaque para a guitarra wah wah, e a lenta Colour Of Day, com Shand solando um orgão Fender Rhodes. O disco não esquece de incluir alguns metais para animar um pouco o clima. Rocksteady é a prova disso. Remy também pode ser comparado ao cantor Lenny Kravitz. Não apenas por ser um multi-instrumentista como Kravitz, mas pelos arranjos de suas canções. Em Everlasting e Looking Back On Vanity, o canadense cria duas baladas que poderiam ter sido gravadas pelo americano.Remy Shand, que é uma estrela em seu país, tenta agora conquistar o mercado americano, terra natal da soul music. Para conseguir isso, o músico vai abrir os shows da turnê da cantora americana Sheryl Crow, nos meses de julho e agosto, pelos Estados Unidos. A gravadora Universal ainda não tem previsão de lançar o CD no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.