Canadenses do Simple Plan tocam para 20 mil fãs no Anhembi

Emocore. Punk pop. Punk de butique. Punk de playboy. Rock para trilha sonora de soap opera. Canademo, o emo canadense. O grupo Simple Plan, de Montreal, Canadá, tem sido definido de muitas maneiras pelas revistas especializadas, poucas delas realmente elogiosas. Quando há essa profusão de maus juízos sobre um grupo, é normal que essa banda sempre se apresente com uma defesa prévia. ´Levante a mão quem já não está cansado de debater o que é ou não é punk´, diz o texto que colocaram na sua página no MySpace. Pois bem: o público poderá formar seu próprio juízo neste sábado, quando o grupo toca no Brasil pela segunda vez (a primeira foi em 2005, no Pacaembu, num controvertido evento de uma emissora de rádio). Agora, tocam no Claro Hall, no Rio de Janeiro, e sábado, quando chega a São Paulo, ao Arena Skol Anhembi, num show que deverá ser visto por cerca de 20 mil pessoas (até ontem, segundo a CIE Brasil, organizadora da turnê, tinham sido vendidas 15 mil entradas). Uma de suas músicas, Welcome to My Life, foi sucesso como trilha da novela adolescente Malhação. O Simple Plan não nega sua vocação: em 2004, o grupo já tinha participado da trilha sonora do filme Scooby Doo 2, com a canção Don´t Wanna Think about You. Mas faça o teste: pergunte a qualquer crítico de música sério o que ele pensa de bandas como Simple Plan, Good Charlotte, My Chemical Romance, Fall out Boy, Panic at the Disco, e o resultado infalivelmente será uma careta. Mas as platéias continuam adorando seus grupos, e lixando-se para a crítica - o Simple Plan vendeu mais de 3 milhões de discos nos Estados Unidos e 5 milhões de álbuns mundo afora. Assim, os canadentes conquistaram o planeta muito rapidamente. Suas turnês os levaram até a China. Em 2005, em Stratford, Ontario, Canadá, o grupo foi obrigado a cancelar uma apresentação beneficente depois que o cantor, Pierre Bouvier (que alguns mais maldosos dizem que parece uma cheerleader hiperativa no palco), foi atingido no olho por uma garrafa atirada da platéia. A própria atitude preventiva do grupo já diz muito sobre o jeito que pisam no terreno. ´Se você está lendo isso, as chances são de que já tenha formado um juízo sobre o Simple Plan. Mas talvez ainda seja tempo de esquecer o que você sabe, porque o Simple Plan não se incomoda com a opinião das pessoas sobre a gente. O Simple Plan passou o último ano canalizando sua energia, positividade e, sim, às vezes frustração, para sua música. E não importa como você queira rotular nossa música, as 11 canções antecipadas de nosso segundo álbum, Still not Getting Any (2004) prova que o Simple Plan não é só uma grande banda como se dedica a escrever grandes canções e tocá-las de maneira infernal num show´, diz o texto do grupo. Teatro e agonia punk Well, well, well, nem tanto a Deus, nem tanto ao Diabo. O Simple Plan não faz mais do que juntar o teatro da agonia punk a uma consciência de goma de mascar, mas seus fãs consideram que, ao vivo, são grandes performers. O grupo é formado por Pierre Bouvier (vocais), Chuck Comeau (bateria), David Desrosiers (baixo e vocais), Sebastien Lefebvre (guitarra e vocais), e Jeff Stinco (guitarra). Em 2005, eles lançaram um disco ao vivo, gravado no Hard Rock Club de Orlando. É um show velho, baseado em um disco e um concerto que já têm três anos - portanto, já muito visto e em fim de estrada. Resta aos fãs torcer para que eles toquem algo do disco que estão prestes a lançar. O produtor deverá ser de novo Bob Rock (Metallica). O grupo também anunciou recentemente que tem planos de fazer algumas parcerias no novo álbum com Will.i.am, do Black Eyed Peas, e a cantora Gwen Stefani. A abertura do show do Simple Plan em São Paulo será da banda baiana Canto dos Malditos na Terra do Nunca (que já abriu para o Placebo) e dos paulistanos do NX Zero. A banda Canto dos Malditos está protagonizando esta semana em seu site o primeiro concerto brasileiro que será transmitido ao vivo pela internet (www.cantodosmalditos.com.br). Serviço Simple Plan. Anhembi, Arena Skol (estacionamento). Única apresentação no dia 20, às 21 h. Abertura dos portões às 16h

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.