Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Caetano Veloso se despede de turnê de 'Abraçaço' em São Paulo

Cantor se apresentou diante de 11 mil pessoas em show gratuito realizado neste domingo (7), no Sesc Itaquera

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

07 de junho de 2015 | 19h57

São quase 10 anos desde a última reinvenção. De 2009 até aqui, Caetano Veloso experimentou um reencontro com uma juventude que sequer havia nascido quando ele passou pelo período de exílio, em Londres, ou quando lançou um dos seus discos mais celebrados, Transa, de 1972. Quando o sol foi embora, ao fim da tarde deste domingo (7), levou consigo o fim dessa era. Caetano Veloso despediu-se desse repertório concebido em companhia da Banda Cê diante de 11 mil pessoas que se reuniram no Sesc Itaquera, em uma disputada performance gratuita. 

A apresentação marcou também o fim de pequena turnê pouco usual do baiano pela capital paulista. Aqui, ele está acostumado a se apresentar diante de um público acomodado em cadeiras, distribuído ao redor de mesas espalhadas pelo salão. Nas noites de quarta até sábado, contudo, Caetano experimentou o aconchego da Choperia do Sesc Pompeia, com ingressos a R$ 60 e esgotados em instantes. Foi, então, acrescentado mais um show nesta última parte da turnê, marcado para este domingo, a céu aberto. 

Meia hora antes da marcada para o início da apresentação, uma verdadeira peregrinação tomava conta da rua de acesso ao portão principal do Parque do Carmo, onde está localizado o Sesc Itaquera. Gente de 30 e poucos subiam a ladeira, rapazes de barba por fazer, garotas de vestido. Uns fumavam um cigarro, outros carregam latas de cerveja. 

Este mesmo local recebeu outros tropicalistas, como Gal Costa e Maria Bethânia, recentemente. Nenhuma das duas foi capaz de se conectar com a juventude como Caê o fez, nesta última década. De um projeto que nasceu da inspiração em conjunto com Pedro Sá, regada a discos do Pixies, a Banda Cê foi criada. Marcelo Callado (bateria) e Ricardo Dias Gomes (baixo), integrantes do grupo Do Amor chegaram para completar o quarteto. A versão atual de Caetano é rock. 

Há quem diga que o músico baiano se apropriou da juventude alheia, como um vampiro que sorve o sangue dos mais jovens para frear o envelhecimento. Esquecem-se, contudo, da necessidade de reinvenção artística natural. Soa estranho, quando se compara o reinventivo Caetano com outros músicos da sua geração, brasileiros ou não, estagnados em uma mesma tecla. O baiano, como músico, não se deixa levar pelo modus operanti geral. A trilogia dos discos (2006), Zii & Zie (2009) e Abraçaço (2012) escancaram isso 

A turnê de Abraçaço já dura três anos e sofreu alterações ao longo desse tempo, como é natural. Daquela primeira performance em território paulistano, no HSBC Brasil, muito foi transformado. Ou melhor, adaptado. A Bossa Nova É Foda ainda abre a apresentação, mas a ordem das canções foi adaptada, clássicos como Baby, Quando o Calo Cantou, Triste Bahia figuram entre as dez primeiras musicas da noite. A nova safra, contudo, é a grande estrela dessa turnê. Reinventado, Caê é capaz de fazer o público cantar com a mesma intensidade Estou Triste e Triste Bahia

Odeio, do álbum , é roqueira, cheia de frescor e rancor, e aplaudidíssima pelo público presente. era um álbum rancoroso na temática, fatalista e inovador. Musicalmente, Caetano foi ainda mais longe em Zii & Zie, com o que ele chamou de transsambas. Por fim, Abraçaço é um comovente encerramento, com o rancor do coração partido cicatrizado, mas com marcas ainda visíveis. 

O terreno em aclive localizado em frente ao Palco da Orquestra deixa a experiência pessoal, intimista, compartilhada por 11 mil presentes aqui. Odores múltiplos se misturavam de maneira curiosa, de mexerica a maconha. 

Protesto e trânsito. A distância do Sesc Itaquera do centro da capital e a ausência de vagas de estacionamento para as 11 mil pessoas ali presentes criaram engarrafamentos nas vias de acesso. Carros permaneceram estacionados em frente à entrada principal do Sesc, no único ponto onde eram avisados que o estacionamento com 1,1 mil vagas estava lotado. 

Já no início do show, uma faixa que estampava o nome do estado da Palestina foi estendida logo no início da apresentação, em protesto contra o futuro show de Caetano e Gilberto Gil em Israel. Se ele a viu, nada disse.  A versão 2015 de Caetano não quer confusão. 

Você Não Entende Nada encerrou a performance, arrebatadora, como deveria, mas ainda há espaço para um bis com outras canções da velha guarda: Força Estranha, Sampa e A Luz de Tieta. Três clássicos distintos, igualmente marcantes na carreira de Caê. Baiano, hoje morador do Rio de Janeiro, Caetano Veloso entendeu como poucos a alma paulistana quando lançou Sampa. Não há mais encantamento no cruzamento das Avenidas São João e Ipiranga. Sequer temos uma Rita Lee como sua completa tradução. Mas é atemporal no sentimento. Cantada em um show gratuito, em um Sesc no extremo leste da cidade, soa tão atual. São Paulo, afinal, é isso, essa mistura descentralizada, heterogênea, como vista naquele gramado. 

Caetano, às 19h40, deu adeus ao Abraçaço, à trilogia que o reposicionou na música nacional, provavelmente a Sá, Callado e Dias Gomes. Só se pode esperar, agora, para mais uma reinvenção. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.